Ban

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Só a ponta do iceberg: MP pede informações à Casa Civil do Governo sobre café da manhã do Hangar, que custou incríveis R$ 63,00 por pessoa. Ata de Registro de Preços do próprio MP cota café bem mais barato. Reportagens da Perereca demonstram que superfaturamento no Governo Jatene não é exceção.



Jatene: café superfaturado e programa comandado pela filha que distribui óculos e remédios em ano eleitoral.

 
O promotor de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público Firmino Mattos já requereu informações à Casa Civil do Governo do Estado sobre os cafés da manhã realizados pelo programa Propaz /Presença Viva no Hangar, que custaram aos cofres públicos inacreditáveis R$ 63,00 por pessoa.
 
Firmino quer saber quantas pessoas, afinal, participaram desses eventos, já que não está claro se foram duzentas ou trezentas.

Além disso, pediu que a Casa Civil esclareça os objetos dos contratos com a Organização Social Pará 2000, que administra aquele centro de convenções.

É que no extrato contratual publicado no Diário Oficial do Estado de 11 de maio, o objeto é a locação de espaço climatizado para o café da manhã. Já no Diário Oficial de 30 de julho, o objeto é o café em si.

Dependendo das informações recebidas, Firmino autuará o caso ou como procedimento administrativo, ou como inquérito civil.

A investigação sobre o cafezinho do Hangar foi aberta a partir de um pedido encaminhado diretamente ao procurador geral de Justiça, Antonio Barletta, pelo cidadão paraense José Francisco de Oliveira Teixeira, que trabalha no Ministério Público do Amapá.

Teixeira leu a postagem da Perereca  publicada em 1 de agosto, cujo link está aí em cima.

O caso foi então encaminhado por Barletta às Promotorias de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público (Aqui: http://pererecadavizinha.blogspot.com.br/2012/08/ministerio-publico-estadual-investiga.html).

Na postagem, o blog mostrou que o café da manhã do Hangar saiu mais caro do que no Hilton Belém e no Crowne Plaza, ambos hotéis cinco estrelas; no Pomme D’Or, a rede de restaurantes mais badalada de Belém; e no Beira Rio, um aprazível hotel de categoria turística.

No Beira Rio, um café da manhã para 300 convidados, já incluindo a cessão do espaço e a sonorização, ficaria em apenas R$ 20,33 por pessoa – ou um terço dos R$ 63,00 por pessoa que o Governo pagou ao Hangar.

No entanto, o blog agora descobriu que o Ministério Público Estadual não precisará ir longe para comprovar o superfaturamento desse café: no Diário Oficial do Estado de 23 de março deste ano, a Perereca localizou uma Ata de Registro de Preços para Eventos do próprio MPE.

Na Ata, um “coquetel tipo 3” está cotado em apenas R$ 19,00 por pessoa.

Os alimentos listados são os mesmos de um café da manhã bem servido: brioche, pão francês, de leite, de rosas, pão de batata com queijo cuia, com pasta de frango ou atum, croissant, requeijão, doce de leite, manteiga e margarina, bolos, cuscuz, salada de frutas, água mineral, café, leite, chocolate, sucos de frutas. O preço inclui  toda a louça necessária e um garçom para cada vinte convidados. 

Veja no quadrinho abaixo, extraído do Diário Oficial de 23 de março deste ano, página 7 do caderno 4. Clique em cima para ampliar:





Ou seja: um “coquetel tipo 3” do Ministério Público para 300 pessoas ficaria em R$ 5.700,00.

No entanto, esse valor não inclui nem a locação de espaço nem a sonorização.

Por isso, é preciso somar a esses R$ 5.700,00, mais R$ 6.300,00 pela locação de espaço (o preço cobrado pelo hotel Crowne Plaza, que foi o mais caro levantado pelo blog na postagem de 1 de agosto), além de mil reais de sonorização.

A conta totaliza R$ 13 mil, ou R$ 43,33 por pessoa - quase R$ 20,00 a menos do que os R$ 63,00 por pessoa que o Governo do Estado pagou ao Hangar.

Vale salientar que esses R$ 13 mil foram calculados pelo máximo, já que o blog desconsiderou o desconto de R$ 1.260,00 oferecido pelo Crowne, além do fato de o próprio Crowne estimar a sonorização em apenas R$ 400,00.

E mais: o aluguel do salão Carajás, no Hilton Hotel, usado por grandes empresas privadas para eventos, ficaria em apenas R$ 2 mil – ou R$ 800,00 com desconto.

E no Beira Rio, que não integra esse circuito top, o espaço nem seria cobrado – daí o custo por pessoa ficar em R$ 20,33, um preço muito próximo ao cotado para a  comida, na Ata de Registro de Preços do Ministério Público.

Não bastasse isso, a Perereca também localizou uma proposta feita pelo Hotel Gold Mar à Secretaria Estadual de Saúde (Sespa), para a realização de um evento, licitado no Pregão 101/2012.

Na proposta, o buffê com carne, peixe ou frango, acompanhado de arroz, feijão, macarrão e saladas foi cotado a  R$ 28,50 por pessoa.

Já o coffe-break, com torta salgada, dois tipos de suco, água, refrigerante, café, leite, bolo, frutas, sanduíches ficou em apenas  R$ 12,00 por pessoa.

Veja no quadro abaixo:


Cada café da manhã realizado no Hangar para os servidores públicos do Propaz/Presença Viva ficou em cerca de R$ 19 mil. 

A Perereca localizou dois, ambos do primeiro semestre deste ano, mas não se sabe se ocorreram outros eventos desse tipo.

O Propaz/Presença Viva é coordenado por Izabela Jatene, filha do governador do Pará, Simão Jatene.

Ainda no primeiro semestre deste ano eleitoral, o programa distribuiu, entre outros itens, óculos e medicamentos às populações de vários municípios do interior.

Apesar dos altos preços cobrados ao Governo do Estado para a realização de  eventos, em contratos celebrados sempre com dispensa de licitação, a Organização Social Pará 2000 recebe verbas milionárias do mesmíssimo Governo, para a administração do Hangar, Mangal das Garças e Estação das Docas.

Só no ano passado – e contabilizando apenas o que o blog conseguiu localizar no Portal da Transparência do Governo Estadual - a Pará 2000 recebeu mais de R$ 5,9 milhões da Secretaria Estadual de Cultura (Secult), pelo gerenciamento desses espaços.

Não se sabe, no entanto, quanto a Pará 2000 já recebeu dos diversos órgãos estaduais, para a realização de eventos no Hangar.

O superfaturamento do cafezinho do Hangar também não é uma exceção.

Em fevereiro deste ano, após reportagens publicadas pelo blog, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) anulou licitação para a compra de bloqueador solar, que acabou saindo a R$ 60,71 a unidade, devido às sucessivas desclassificações de licitantes que ofereciam preços mais baixos.

O bloqueador solar que o Detran pretendia comprar a R$ 60,71 a unidade era da linha Loreal, fator de proteção 60, embalagem de 120 ml, que a blogueira, aliás, encontrou,  no último verão, a menos de R$ 30,00 na farmácia de um shopping de Belém.

 
Em janeiro, a Secretaria Estadual de Saúde (Sespa) já havia revogado, também depois de reportagem publicada pelo blog, um Pregão que lhe permitiria gastar até R$ 14,3 milhões em eventos.

Pelos preços cotados na Ata de Registro de Preços, um almoço em Santarém poderia ficar em  R$ 55,00 – ou cinco vezes mais do que a própria Sespa havia pagado na mesmíssima Santarém, meses antes.

O cafezinho do Hangar, o bloqueador solar do Detran e os eventos da Sespa são, porém, apenas alguns dos escândalos noticiados pela Perereca, neste um ano e oito meses de Governo Jatene.

Mas tais escândalos, vale enfatizar, representam somente o que este blog sozinho -  e apenas em pesquisas realizadas basicamente na internet - conseguiu detectar.

Banpará entra em greve na terça, 4 de setembro, informa a Associação dos Funcionários do banco.




Do blog da AFBEPA, a Associação dos Funcionários do Banco do Estado do Pará: 

 
BASTA DE DESRESPEITO! AGORA É GREVE NO BANPARÁ!


Por maioria de votos a Assembléia dos Bancários do Banpará decidiu pelo imediato início da greve no Banco, o que, respeitando os prazos legais, significa começar a greve na próxima terça-feira, 04 de setembro.

Mais de 100 bancários participaram da Assembléia que contou com belas intervenções reafirmando a história de luta, garra e dignidade dos funcionários do Banpará, que não se deixaram intimidar por ameaças.

A decisão pela greve imediata venceu sobre uma outra proposta que queria adiar a greve para dia indeterminado, aguardando a deliberação de greve nacional, mas esquecendo que a nível nacional já houve várias mesas de negociação e aqui, apenas a intransigência, o desrespeito, o não, não e não do Banpará.

O Banco recebeu a Minuta de Reivindicações dia 06 de agosto. 

Teve bastante tempo para analisar nossos pedidos e nunca chamou a mesa de negociação. 

Hoje (ontem), ao final da tarde, quase na hora da assembléia, marcou uma reunião para o dia 05/09.

Porém, desde a manhã, após a reunião no TRT, o Banco reafirmou que não estava disposto a negociar as cláusulas econômicas, convergindo a pauta econômica para a mesa da Fenaban, o que representaria muitas perdas para nossas vidas. 

Não teríamos nada no bolso. 

Era isso: queriam uma mesa para não negociar o central e nos submeter a uma lógica nacional, como uma imposição, uma redoma asfixiante. 

Se na mesa da Fenaban o índice deverá chegar a 8% no máximo, no Banpará o Banco já afirmou que pode dar 13%. 

Por que teríamos que nos submeter ao rebaixamento nacional? 

Temos dito sempre que a lógica e as propostas nacionais devem servir de base, mas não de teto.

Felizmente, os Bancários disseram sim à nossa luta e afirmaram, dignamente, o quanto de esforço e sacrifício tem sido empenhado para garantir a posição de liderança do Banpará, eleito, recentemente, o 5º melhor banco do país e o melhor banco estadual, batendo recordes de lucros, repassando ao Estado milhões e milhões de reais”. 

Leia mais sobre a queda de braço entre o Banpará e os trabalhadores:  http://afbepacoragem.blogspot.com.br/

Waleiska Fernandes desce a pua no PT. E expõe ainda mais as fissuras provocadas pela corrida à Prefeitura de Belém.



Da jornalista Waleiska Fernandes, em seu blog FaloPorqueTenhoBoca

 
Irresponsáveis líderes partidários


Queria muito saber o que passa pela cabeça de Paulo Rocha, Valdir Ganzer e Zé Geraldo quando vêem o fiasco que está sendo a candidatura do petista Alfredo Costa a prefeito de Belém.

É claro que eles sabiam que o Alfredo não tinha condições de ganhar, mas talvez não mensurassem o tamanho do mal que estavam fazendo ao PT em Belém quando fizeram de tudo para derrotar Cláudio Puty nas prévias do Partido, no início do ano.

O mais chocante é que parece que todos desapareceram depois do mal feito.

O único interesse era impedir o crescimento de uma nova liderança dentro do PT. 

A "colaboração" que esses senhores deram a candidatura do PT em Belém encerrou nas prévias.

Não se deram o trabalho nem de costurar um vice para o Alfredo. 

O probo professor estava até a véspera da data limite de registro de candidatura pedindo pra um e outro embarcar em sua aventura. 

E quem teve que salvá-lo? Um dos apoiadores daquele que o trio de ouro defenestrou, o professor Arroyo.

Alfredo Costa está sozinho nessa empreitada. Admiro muito aqueles que estão o apoiando e bancando essa luta com ele.

Mas na condição de simpatizante do PT fico muito triste com o que está sendo feito o partido em Belém”.


Tem mais aqui, inclusive na postagem da Waleiska de 24 de agosto, na qual ela diz que a briga entre o PT e o PSOL está apenas começando: http://faloporquetenhoboca.blogspot.com.br/