Ban

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Os "heróis da redenção" e a devassidão das Vossas Excelências.
É imperdível o depoimento da professora Amanda Gurgel.
Um retrato não só do Rio Grande do Norte, mas, do Brasil inteiro.
Até custa a crer que, num País que se imagina em desenvolvimento, os professores ganhem essa mixaria. E que tenham de quase se matar de tanto trabalhar para ganhar essa mixaria.
Não, não são os professores os “heróis” da redenção deste país, no qual apenas os trabalhadores – e apenas eles – são chamados a dar “a sua cota de sacrifício”.
Nem os professores, nem os policiais, nem os médicos, nem tantas outras categorias essenciais ao serviço público, no qual o amor se vê transformado em calvário.
E um calvário do qual sequer resulta um Paraíso. Mas, apenas e tão somente, a multiplicação da dor, por gerações e gerações.
Não há como exigir mais sacrifícios daqueles cujo sangue já tem tão pouca tinta, para usar a bela imagem do grande poeta João Cabral de Melo Neto.
Não há mais como sustentar essa imagem romântica dos “heróis” de uma “redenção” que nunca chegará, enquanto subsistirem as desigualdades e parasitismos que afrontam os cidadãos, de Norte a Sul.  
Que futuro a um país onde um professor – e na capital de um estado – recebe R$ 930,00 por mês, ao passo que um deputado ou senador, só de salário, recebe mais de R$ 26 mil?
E, vejam só: além desse salário extraordinário, as Vossas Excelências, ainda torram milhões de reais em tíquetes-alimentação, quentinhas, cestas básicas, telefone, passagens aéreas, combustível, diárias, assessores, ao passo que, nas salas de aula, falta até mesmo giz!
Quantos professores, ou médicos ou policiais, seria possível remunerar um pouco melhor, só com os ganhos de um único parlamentar, que, muitas vezes, passa quatro, oito, doze anos sem apresentar um único projeto que preste, apenas a financiar, com dinheiro público, a própria reeleição?
Como permitir a continuidade de tais disparates e, ao mesmo tempo, acreditar na possibilidade de um Brasil mais justo?
Que país do mundo, democrático, desenvolvido, civilizado, tem essa relação tão perversa entre a remuneração de um servidor público e os ganhos de um parlamentar?
De que Democracia estamos a falar, quando milhões têm de trabalhar para sustentar a “Corte” de uns poucos?
E uma Corte tão imoral, mas tão imoral, que é impossível olhar para ela e não se lembrar da família Bórgia.
Não, as Vossas Excelências não podem continuar a viver nesse “Versalhes imaginário”.
Têm de compreender que este País pertence, em verdade, a milhões de Josés, Marias e Amandas que, todo santo dia, fazem assim, ó, com o suor do rosto, para sobreviver.
Têm é de se mancar com essa orgia, com essa gastança, que promovem à custa do suado dinheirinho de todos.
Eis aqui o depoimento de Amanda, cidadã e servidora pública deste senzalão chamado Brasil:



..........
A blogueira tem de sair. A Perereca volta mais tarde ou no final de semana, com a terceira reportagem da série sobre os escândalos na Assembléia Legislativa.

Pra dançar agarradinho... Em duas versões!




quinta-feira, 19 de maio de 2011

Robgol pede habeas corpus preventivo


O ex-deputado e ex-jogador de futebol Robson Nascimento, o Robgol pediu hoje à Justiça um habeas corpus preventivo.
Quem informa é o jornalista Cláudio Darwich, no portal do Diário do Pará. Robgol é suspeito de envolvimento nas supostas fraudes na Assembléia Legislativa do Pará.
Na casa dele, lembra Darwich, a polícia e o Ministério Público apreenderam R$ 457.461,00 em dinheiro, além de 40 mil em vales alimentação, conforme, aliás, foi noticiado, na época, pela Perereca (Aqui: http://pererecadavizinha.blogspot.com/2011/04/operacao-policial-apreendeu-r-500-mil.html).
O pedido de habeas corpus foi motivado pelo anúncio de que a OAB/PA pedirá que o MPE solicite a prisão preventiva dos envolvidos nas supostas fraudes.

Companhia Paulista diz que não fornece pizza à Assembléia Legislativa. Restaurante entrega é refeições à Casa, que já gasta quase R$ 20 milhões em tíquetes de alimentação.


A Companhia Paulista de Pizza encaminhou nota de esclarecimento ao blog na qual afirma que não fornece pizza à Assembléia Legislativa do Pará, mas, refeições.
A Perereca, é claro, publica a nota na íntegra, mas, se confessa estupefata: quer dizer que, além de cestas básicas e de quase R$ 20 milhões em tíquetes de alimentação (leia a matéria aqui: http://pererecadavizinha.blogspot.com/2011/05/no-rastro-das-irregularidades-na.html) ainda há quentinhas, ou “refeições embaladas individualmente”, para os superalimentados servidores do Legislativo paraense?
Como assim? Mas de que formas?
E qual o valor desse contrato, licitado na modalidade convite, e que, em apenas três meses, já consumiu mais de R$ 153 mil?
Aqui, a nota da Companhia Paulista:
“Informamos que a Cia Paulista de Pizza mantém contrato de fornecimento de alimentação diária com a Alepa, após vencer licitação. Trata-se de refeições embaladas individualmente e entregues nas dependências da Alepa, após solicitações feitas diariamente, com relação que determina as pessoas às quais se destinam. Portanto, os valores recebidos e relacionados no blog não se refere a PIZZAS, e sim aos meses de fevereiro, março e abril das refeições dos servidores ao preço médio de R$12,44 por refeição.
A Cia Paulista de Pizza se orgulha de ser paraense e há 25 anos age com lisura e dedicação ao povo paraense. Mantemos um grupo de funcionários dedicados exclusivamente a este contrato,  com gerente, nutricionista, cozinheiros, auxiliares de cozinha e motorista para a entrega. Todos os meses, antes dos pagamentos das faturas, são exigidos todos os documentos que comprovam os pagamentos  dos impostos e contribuições previdenciárias da empresa.
Colocamos à sua disposição as notas fiscais e os borderôs que comprovam os valores e quantidades fornecidas. Convidamos também para que v. nos visite a qualquer manhã, de segunda a sexta-feira, confirmando nosso trabalho.
Atenciosamente
Osório Mário dos Santos Jr
Cia Paulista de Pizza”

Internautas se mobilizam por CPI na Assembléia Legislativa. Tem abaixo-assinado e ato público no próximo sábado


467 pessoas já assinaram até agora (17h42 do dia 19) o documento que circula na internet pela CPI da Assembléia Legislativa do Pará. O link está sendo encaminhando por mailing e divulgado, também, nos blogs e redes sociais.
Está aqui:
O combativo Diógenes Brandão, do blog As Falas da Pólis, foi o primeiro a assiná-lo e é ele quem informa como anda a mobilização na internet. Aqui: http://diogenesbrandao.blogspot.com/
No sábado (21), a partir das 9 da manhã, haverá um ato público “contra a corrupção e a favor da CPI na Alepa”, na Praça Barão do Rio Branco, em frente à OAB, seguido de uma “Caminhada cívica contra a corrupção, pela paz e pela vida", até a sede do Ministério Público Estadual.
Também serão coletadas assinaturas em apoio aos pedidos de prisão e indisponibilidade  de bens de todos os envolvidos nos escândalos da AL.

ALTAMIRA: MP faz Audiência Pública e debate política pública para crianças e adolescentes


O Promotor de Justiça Edmilson Barbosa Leray, preside a Audiência Pública que discutirá estratégias e diretrizes de ação para implementação de política pública, voltada para prevenção e combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes na comunidade local.
O evento a ser promovido pelo Ministério Público do Estado (MPE) será realizado na sexta (20), a partir da 8 horas no auditório da Casa de Cultura, no município de Altamira sudoeste do Pará, distante 930 quilômetros da capital Belém.
Segundo o Promotor de Justiça Edmilson Leray, com a efetivação de uma Audiência Pública o MP pretende sensibilizar as autoridades locais, gestores de órgãos governamentais e não governamentais e membros da sociedade civil em geral e fortalecer o combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.
Serviço: Audiência Pública em Altamira
Data e Hora: Sexta-feira, 20. A partir das 8 horas.
Local: Auditório da Casa de Cultura de Altamira.
(Ascom/MPE)

Reage, Belém! Paredão de luxo ameaça "privatizar" a beleza da Baía do Guajará.


Do blog do antenado Zé Carlos Lima, do PV:
“Em quatrocentos anos de história da cidade de Belém é a primeira vez que a Prefeitura autoriza a construção de um prédio na orla da cidade, as margens da Baia do Guajará. Será que a Cidade concorda com esta construção? Será que depois de construir o primeiro edifício, outros não serão erguidos, fazendo uma parede de luxo para impedir o acesso da população ao rio? Será que construir prédios na orla ajudará Belém a ser uma cidade amazônica e boa para morar?
A legalidade e a oportunidade da licença concedida pela SEURB para construir o prédio está sendo questionada pela sociedade civil, através da Rede Voluntária de Educação Ambiental, perante a Comissão de Meio Ambiente da OAB. Amanhã, sexta-feira, dia 20.05, a Comissão reúne para apreciar o relatório elaborado pelo Dr. Afonso Arinos e tomar uma decisão sobre a questão”.
O blog do Zé está aqui: http://zecarlosdopv.blogspot.com/