Ban

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Em clima de campanha!

Pra nós, que respiramos política, há bem poucos momentos tão extraordinários quanto este, em que vamos “partir pra porrada” – no bom sentido, é claro...

É como se hibernássemos e só conseguíssemos acordar realmente a cada dois anos, no calor desse maravilhoso espetáculo que é uma eleição.

Nenhum de nós consegue viver sem Política e sem Democracia.

E penso que, pra gente, uma boa eleição é até melhor que um orgasmo...

Daí que a Perereca da Vizinha vai fazer uma pausa até novembro.

Fui convidada para integrar a campanha de Simão Jatene ao Governo do Estado.

Aceitei, com muita honra.

E penso que não seria justo, em relação a todos vocês, continuar com o blog em tal condição.

Aliás, também não seria prudente, já que vou trabalhar com informação e estratégia.

Estou, portanto, me “desincompatibilizando” deste blog, em respeito a cada um de vocês. Que me amam ou odeiam. Mas que sempre me honraram com a sua preciosa atenção, desde os primórdios da Perereca.

Vou sentir saudades - dos elogios e das cacetadas...

Do aconchego deste cafofo; do enorme carinho de cada um de vocês, que têm tido a paciência divina de aturar até mesmo as bebedeiras desta blogueira...

Mas não poderia fugir desse desafio que é a campanha de Jatene.

Para quem gosta realmente de política; para quem tem a política na massa do sangue, a campanha de Jatene é, de fato, magnética.

Porque é possível que nunca tenhamos assistido a uma eleição assim no estado do Pará.

Ninguém se iluda: esta eleição não tem parâmetro, nem em 1994. Ana Júlia, a minha xará, não é Jarbas Passarinho... E as circunstâncias que cercam este pleito são bem mais complexas.

Não creio que ela seja comparável, também, a 1982 – afinal, Jader teve o apoio do então governador, Alacid Nunes.

Nesta eleição, Jatene não tem máquina nenhuma. E será o momento de comprovarmos até onde pode o povo, contra todas as máquinas do mundo...

Nunca participei de eleições fáceis; todas foram muito complexas, suadas.

Mas a eleição de Jatene será, certamente, a mais difícil.

Será preciso, em primeiro lugar, garantir o segundo turno, contra o "império" que se aglutinou no horizonte.

Será preciso resgatar o gigante que existe dentro de cada tucano paraense.

Dentro de cada eleitor, dentro de cada cidadão que anseia por um Pará melhor.

Quero, também, deixar aqui os meus votos de boa sorte a todos aqueles que participarão desta eleição.

A todos aqueles que têm coragem de lutar por aquilo em que acreditam.

Boa sorte aos companheiros do PT.

Boa sorte aos companheiros do PMDB – esses extraordinários GUERREIROS do PMDB!...

Boa sorte aos companheiros do PR, do PTB, do PDT, do PPS, do PSB, do DEM, do PP, do PV.

Que Deus nos ilumine a todos, para que façamos uma eleição realmente digna do glorioso povo do Pará!

Que Deus esteja no fundo do coração de cada um de vocês!...

Mas, sobretudo, boa sorte aos companheiros do PSDB.

Que Deus nos conceda Sabedoria, força, garra, coragem - HONRA!...

Para que possamos mostrar o GIGANTE que existe dentro de cada um de nós!

Para que possamos mostrar aquilo que valemos, em defesa do povo do Pará!

E VUUUUUUUUMMMMMMBORA GENTE!
VIVA 2010!






Atualizado em 3 de Julho, 1h37m:

O problema do doutor Fábio Castro é que ele não entende patavina de política.



Fábio Castro é igualzinho a muita gente que pega um diploma apenas para exibir, para pendurar na parede.


Não reteve nada das aulas que freqüentou ou dos livros que leu.


Mas tem um milhão de frases feitas para os imbecis que se dispõem a repetir a sua lenga-lenga.


Desses intelectuais, que apenas teorizam a política, já estamos, tucanos e petistas, pra lá de fartos.


São uma mixaria quando estão a jogar...


Mas continuam a repetir, no ouvido da gente: “não é assim! Não é por aí!”...


Porra!...


Se sabem, que joguem quando estão em campo!...


Mas nenhum deles consegue jogar – porque são apenas teóricos!...


Então, a gente vai é servir um queijo e um vinho bacanas pra eles, que é pra ver se eles param de nos empentelhar...


A gente, que constrói a política no dia a dia, sabe que a política não é do jeito que esses pseudo-doutores ficam a dizer.


Não tem idealização; não tem anjo nem demônio!...


O que há é o que há: as condições postas e os aliados possíveis!


E os aliados a gente não escolhe: escolhem as circunstâncias!...


Mas essa gente insiste em ficar dando piteco – e essa é a coisa mais enervante.


Acham que porque leram meia dúzia de gibizinhos do Tio Patinhas entendem alguma coisa de política – não entendem lhufas!...


Pra entender a política, tem de viver a política.


E depois a gente vai buscar a teoria, que é bacana à beça, mas, como complementação da prática...


Então, que se dediquem a historiar.


Mas que não queiram meter o bedelho nesse mingau.


Porque desse mingau quem entende é a gente.


Petistas e tucanos.


Ou tucanos e petistas.


Como vocês preferirem.


Sem esquecer os poderosos companheiros do PMDB.


FUUUUUIIIIIIIII!!!!!!






PS: Também sou uma intelectual. Mas, quem diz?


PS 2: E como o Fábio me provocou, vou deixar aqui uma música.


É engraçado. Confundi-me com Gilgamesh. Hoje, ao conseguir encontrar o livro, percebi o engano. Mas nem tu, nem o Alex, nem qualquer outro diz-que-intelectual percebeu o engano. Mas que bando de intelectuais xexelentos, né mermo?


Pra ti. E pros diz-que intelectuais paraenses!...


PS3: Mas, avaliem: esses diz-que intelectuais querem me demover da minha decisão. Depois de tantos telhados, né mermo? Miauuuuu!