Ban

domingo, 31 de janeiro de 2010

Governo do Estado mexe no núcleo duro I



O médico Everaldinho Martins, irmão da prefeita de Santarém, Maria do Carmo, e secretário de Planejamento daquele município, é o provável sucessor de Cláudio Puty no comando da Casa Civil do Governo do Estado.


O convite foi feito na manhã de ontem (sábado) e ele ficou de pensar no assunto. Mas há quem diga que Everaldinho aceitará, sim, a nova missão.


Se tudo der certo, ele assumirá o cargo em abril, ou até antes de abril, assim que Puty se desincompatibilizar para concorrer à Câmara dos Deputados.


O outro quadro petista que também estaria na disputa, a secretária do Trabalho Ivanise Gasparim, garante que não foi sondada.


“Isso é pura especulação” - afirma Ivanise – “Nunca disse a ninguém que estava colocando o meu nome e nem a governadora disse isso a mim”.



Governo do Estado mexe no núcleo duro II


Na verdade, a substituição de Puty por alguém de fora da Democracia Socialista (DS), a tendência petista da governadora Ana Júlia Carepa, é uma mexida no chamado “núcleo duro” do governo.


A intenção seria contemplar mais tendências petistas nessa instância de poder – daí a entrada em cena de Everaldinho, que pertence à Unidade na Luta, a corrente do deputado federal Paulo Rocha e da própria prefeita de Santarém, Maria do Carmo.


Daí, também, que outros quadros petistas devem ascender ao núcleo de governo – um representante da tendência PT pra Valer, do deputado federal Zé Geraldo e do secretário de Transportes Waldir Ganzer; e até a própria Ivanise, que integra a Articulação Socialista, do deputado estadual Carlos Bordalo.


A maioria dos petistas jura que a “recomposição” se deve exclusivamente a questões internas e à necessidade estratégica de abrigar, nesse núcleo, militantes com boa “vivência” (conhecimento) das regiões do estado, tendo em vista as próximas eleições majoritárias.


Há quem admita, no entanto, que a ampliação do “núcleo duro” funcionará, também, como uma sinalização ao PMDB, acerca da flexibilização de comando do Governo Estadual.


Novamente enrolada


Estou com uma reportagem para entregar hoje, domingo, até às 18 horas, e na segunda-feira tenho de acordar muito cedo porque vou ter de mudar de casa.

Por isso, não sei se conseguirei postar ainda hoje todo o material que recolhi na festa de 30 anos do PT.

Deixo, porém, as duas notinhas acima que considero essenciais.

Vou fazer de tudo, até virar bicho trabalhando, para voltar na noite de hoje. Mas, se não conseguir, peço a compreensão dos leitores.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Jader vai ao aniversário do PT. Será?



A festa de 30 anos do PT, no próximo dia 30, tem tudo para alvoroçar os arraiais petistas, peemedebistas, tucanos, petebistas – enfim, todos os arraiais políticos paraenses.


Tudo pelo ilustre convidado que já confirmou presença: Jader Barbalho.


Quem informa é o presidente regional do PT, João Batista.


“Entreguei o convite e ele (Jader) disse: eu vou lá”, contou João ao blog.


Além de Jader, também já confirmou presença na festança o deputado e ex-ministro Zé Dirceu.


O presidente Luís Inácio Lula da Silva já disse que não vem, e periga a presença do presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, que está com a agenda apertada, devido a compromissos em Brasília.


Mas os petistas paraenses cruzam os dedos para que se confirme a vinda de outra estrela vermelha: a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, que ficou de chegar no sábado.


Caso Dilma venha de fato, o que, devido às regras de segurança, só será confirmado na sexta, ela deverá conceder coletiva à imprensa, no Hangar.


As comemorações petistas começarão à tarde e se estenderão pela noite.


Às 15 horas, na sede do Pará Clube (na Lomas), haverá a posse dos novos dirigentes estaduais e municipais (140).


E João Batista, como se sabe, permanecerá à frente do PT estadual: ele foi reeleito para a Presidência com mais de 90% dos votos válidos.


Depois, a partir das 6 da tarde, haverá um grande arrasta-pé, pra petista nenhum botar defeito, na Aldeia Cabana, com músicos locais e nacionais.


A governadora Ana Júlia Carepa participará das comemorações.


E mesmo que nenhuma outra estrela apareça, só a presença do Barbalhão já transformará o evento no tititi político da semana.


A Perereca agradece o convite para a festança e até deixa uma homenagem aos irmãos petistas.


Afinal, 30 anos de história não é pra qualquer um.








Convênio da Funtelpa: 12 anos sem solução






Ainda não há luz no fim do túnel para um dos processos mais polêmicos da Justiça paraense: a ação popular contra o convênio da Funtelpa (Fundação das Telecomunicações do Pará) com a TV Liberal.



O processo cobra na Justiça a devolução dos mais de R$ 35 milhões, em valores não atualizados, que teriam sido repassados irregularmente à TV Liberal, durante os governos tucanos.



Mas, por incrível que pareça, e apesar da montanha de dinheiro envolvida, ele se arrasta em ritmo lento na Justiça Estadual: no mês passado, emplacou doze anos de tramitação.



Isso mesmo, você não leu errado: 12 anos.



A situação fica ainda mais complicada quando se verifica que o processo é, hoje, um dos mais antigos do Judiciário paraense: no segundo grau, que é onde se encontra essa ação popular, restam apenas 541 processos ajuizados antes de dezembro de 2005.



Mesmo assim, não há sinal dele na pauta de julgamentos do TJE.



Pelo contrário: no próximo 25 de fevereiro, o processo completará, sem bolo nem festa, dois anos de tramitação no segundo grau.



E a maior parte desses dois anos foi consumida num extraordinário jogo de empurra, raras vezes visto no Judiciário paraense: o processo perambulou sucessivamente pelos gabinetes de 10 desembargadores – ou seja, um terço do TJE.



E pelo menos sete deles se negaram a apreciar o caso – a maioria alegando suspeição, “por motivo de foro íntimo”.



Finalmente, em 28 de agosto do ano passado, a batata quente estacionou na mesa da desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento – e lá se encontra até hoje.



Segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Nadja possuía, no mês passado, um acervo de 768 processos – o quinto maior entre os desembargadores.



Em novembro do ano passado, 96 das ações existentes no gabinete dela haviam sido ajuizadas antes de dezembro de 2005.



Corregedora da Região Metropolitana, Nadja é também esposa de Manoel Santino, que foi procurador geral do Estado, chefe da Casa Civil e secretário de Defesa Social nos governos de Almir Gabriel e Simão Jatene.




Pior que jabuti





A Ação Popular contra o convênio da Funtelpa com a TV Liberal foi ajuizada em 19 de dezembro de 1997 pelo deputado federal Vic Pires Franco, do DEM.



Estranhamente, porém, o deputado desistiu do processo, em fevereiro de 2000, alegando questões “de foro íntimo”.



Coincidência ou não, pouco depois Vic caiu nas graças do tucanato: em agosto de 2002, em plena campanha eleitoral, emplacou o correligionário Fernando Dourado no comando da Secretaria Executiva de Saúde (Sespa), uma das mais turbinadas do Estado.



Naquele ano, também, Valéria Pires Franco, mulher de Vic, obteve a Vice na chapa de Simão Jatene, que, afinal, acabaria se elegendo governador.



Mesmo sem Vic, porém, a ação popular prosseguiu: ela foi assumida pelo sociólogo Domingos Conceição.



O Ministério Público Estadual e a Procuradoria Geral do Estado (PGE) garantem que o acerto era, na verdade, um contrato “disfarçado” de convênio, para permitir a contratação da TV Liberal pelos tucanos, sem licitação e em condições extraordinárias.



Pelo “convênio”, a TV Liberal usava as 78 retransmissoras da Funtelpa, para transmitir a programação da Rede Globo ao interior do Pará. Mas, quem pagava pelo serviço era a Funtelpa.



Isso mesmo:era a Funtelpa quem pagava para que a TV Liberal usasse as retransmissoras públicas. E, descobriu-se depois, era também a Funtelpa quem pagava até os funcionários que operavam esses equipamentos.



O pagamento à TV Liberal foi suspenso logo depois que a governadora Ana Júlia Carepa assumiu o governo.



A Funtelpa abriu investigação, constatou irregularidades no acerto e deixou a condição de ré no processo, passando também a cobrar da emissora a devolução dessa dinheirama.



Só para se ter idéia do que isso representava para as finanças da combalida Funtelpa: quando o pagamento foi suspenso, no início de 2007, ele já andava em R$ 476 mil por mês e equivalia a duas folhas de pagamento da instituição.



Em 31 de janeiro de 2007, porém, a juíza Rosileide Cunha Filomeno julgou a ação popular “totalmente improcedente”. Houve recurso e o processo foi parar no segundo grau.



Resta saber se o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Supremo Tribunal Federal (STF), aos quais o processo deverá subir após o julgamento do TJE, concordarão com o entendimento de Rosileide.




Tarso Genro pune Protógenes por causa de blog


Do Blog Conversa Afiada, de Paulo Henrique Amorim:






Ministro da Justiça suspende Protógenes
por causa do blog. Faltam 99 suspensões


Na foto, o chefe da Gestapo brasileira


O Ministro da Justiça Abelardo Jurema(*) suspendeu por dois dias o ínclito delegado Protógenes Queiroz por causa de um texto que publicou em seu blog.

Como há 100 comunidades na internet em defesa do ínclito delegado e como esses espaços costumam reproduzir textos originalmente publicados no blog do Protógenes, o ministro Abelardo Jurema(*) ainda punirá Protógenes 99 vezes.

O Ministro Abelardo Jurema(*) torna-se, assim, o pioneiro da censura na internet brasileira.

O Ministro Abelardo Jurema(*) faz com Protógenes o que a China quer fazer com o Google: censurá-lo.

Viva o Brasil !

Paulo Henrique Amorim


Leia abaixo a íntegra do despacho de Abelardo Jurema(*):

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA
DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
BRASÍLIA-DF, TERÇA-FEIRA, 26 DE JANEIRO DE 2010
BOLETIM DE SERVIÇO No. 017MINISTÉRIO DA JUSTIÇA


PORTARIA No. 007/2010-COGER/DPF
Brasília/DF, 21 de janeiro de 2010

O CORREGEDOR-GERAL DE POLÍCIA FEDERAL, no uso de suas atribuições previstas no inc. XVI, do art. 32, do Regimento Interno do DPF, aprovado por meio da Portaria no. 3961/MJ, de 24.11.2009, publicada no D.O.U no. 225, de 25.11.2009, c.c o inc. V, do art. 50, da Lei no. 4.878, de 03 de dezembro de 1.965, tendo em vista o disposto nos art. 10 e 11 do Decreto-Lei no. 200, de 25.02.1967 e considerando o que restou apurado nos autos do PAD no. 046/2009-COGER/DPF, R E S O L V E:


I – APLICAR a pena disciplinar de 02 (dois) dias de suspensão ao servidor PROTÓGENES PINHEIRO DE QUEIROZ, Delegado de Polícia Federal, primeira classe, matrícula no. 8.452, lotado na CGDI/DIREX/DPF, por restar comprovado que publicou mensagem no endereço eletrônico denominado “http://blogdoprotogenes.com.br”, acessado em 16.04.2009, dando a entender que o seu afastamento do exercício do cargo de Delegado de Polícia Federal, determinado pela Portaria no. 247/2009-DG/DPF, de 09.04.2009, ocorreu, possivelmente, em favor de pessoa investigada em processo criminal, conduta que configura a transgressão disciplinar tipificada no inc. I, do art. 43, da Lei no. 4.878, de 03.12.1965; II – Na mensuração da pena foram observadas as circunstâncias previstas no art 45 do referido dispositivo legal.


Publique-se e cumpra-se.

Em tempo: Ministro Jurema, quando é que a Sua Polícia Federal vai concluir o inquérito sobre o grampo sem áudio?


Em tempo II: Como diria o Mino Carta, Daniel Dantas é o dono do Brasil.


(*) Abelardo Jurema foi o último ministro da Justiça de João Goulart.

http://www.paulohenriqueamorim.com.br/?p=26203

Comentário da Perereca:

Não sou lá muito fã de Protógenes, nem dessa coisa de ficar expondo presos algemados, só porque são ricos. Ou de ficar pedindo prisão preventiva de rico só pra jogar pra platéia.


Como disse aqui na época da prisão de Daniel Dantas, o que a gente precisa não é expor os ricos ao circo romano, mas impedir que qualquer cidadão, por mais pobre, por mais miserável que seja, acabe exposto dessa forma – coisa que a gente vê, aliás, todo santo dia nas páginas policiais, que eu já nem leio, porque me enojam.


Não tenho qualquer simpatia pelo Daniel Dantas e sei que ele é um sujeito pra lá de enrolado, cujos tentáculos a gente precisa extirpar das instituições e até da imprensa.


Mas é isso o que penso. Todo cidadão tem direitos que precisam ser respeitados – inclusive o Daniel Dantas.


Por isso, não tenho lá muita simpatia, também, pelo Protógenes, ou pelos “métodos” do Protógenes, como já disse.


Penso, no entanto, que o ministro da Justiça, Tarso Genro, exagera ao punir o delegado por causa de um texto publicado num blog.


E “exagero”, diga-se de passagem, é uma palavra pra lá de macia diante de uma postura tão autoritária quanto a do ministro.


Essa punição do Protógenes lembra aquele silêncio que a Igreja impôs ao Frei Beto, se não me falha a memória.


Só que as religiões sempre funcionaram assim, na base da inquisição, da censura, do cerceamento.


Mas o Ministério da Justiça não é uma igreja – é uma instituição laica de um país republicano e democrático.


Daí que punir Protógenes por expressar uma opinião é, sim, um atentado a um direito básico dele e de qualquer cidadão.


Além de tudo é uma atitude burra, porque transforma Protógenes em espécie de mártir da liberdade, quando as atitudes dele não são exatamente santas.


Lamentável, simplesmente lamentável, a atitude de Tarso Genro.


Pobre Brasil.

Belo Monte para quem?


Até onde podemos ir na busca pelo “desenvolvimento” econômico, sem inviabilizarmos a sobrevivência da nossa própria espécie e deste planeta?



Até que ponto a qualidade da água que bebemos, do ar que respiramos e o verde que nos alimenta e sombreia não são direitos tão fundamentais quanto a saúde, a educação, o trabalho, a moradia, a liberdade de expressão?


Neste século em que, como nunca na História, tomamos consciência de que somos, visceralmente, parte de um meio; em que tomamos consciência da importância de tudo o que vive e respira, até quando insistiremos em projetos como Belo Monte, especialmente numa região como a Amazônia, tão exuberante e, ao mesmo tempo, tão delicada?


Qual, afinal, o retorno que têm trazido, para nós e nossos filhos, em termos de qualidade de vida, todos esses “grandes projetos”?


Numa análise fria, levando em conta apenas a relação custo/benefício, qual a vantagem tão extraordinária que esses projetos trouxeram à totalidade da nossa população, para justificar a magnitude das agressões por eles causadas à Amazônia e ao mundo em que vivemos?


Ao tempo da ditadura militar, a Amazônia e particularmente o estado do Pará foram invadidos por projetos “desenvolvimentistas” de toda ordem: rasgaram-se estradas, construíram-se fabricões, implantaram-se projetos agrícolas.


Atraiu-se para cá levas e levas de migrantes, que aqui diz-que encontrariam uma espécie de “paraíso perdido”, povoado por índios, pretos e caboclos, todos sem alma. Ou, no máximo, com uma alma “diferente”, como se dizia na Idade Média.


E o fato é que todos esses megaprojetos e essa visão “desenvolvimentista” - que se baseia apenas no lucro, na propriedade de bens e na acumulação de capital – acabaram cravando em nosso rosto uma face absolutamente repugnante.


Por um lado, nos trouxeram ruas asfaltadas, telefones, computadores, internet, shoppings centers, grandes redes de supermercados, escolas, hospitais, cinemas, museus.


Tudo, enfim, que a gente convencionou chamar de “progresso”, quando se entende progresso, basicamente, pela simples possibilidade de pendurar uma TV de LCD na parede da sala.


No entanto, esses grandes projetos também nos trouxeram o horror – e o horror aqui não é feito simplesmente da falta de coisas, de bens, ou do sinal ruim de um telefone celular.


Mas, um horror que é feito de pessoas; da forma subumana como vivem milhões de pessoas em nosso estado; milhões de paraenses e milhões de amazônidas.


Todos esses grandes projetos, toda essa visão “desenvolvimentista” nos trouxeram a fome, em níveis nem sequer imaginados pelos nossos pais e avós.


Trouxeram a morte de milhares de criancinhas, por subnutrição, por doenças medievais.


Trouxeram a prostituição e a exploração sexual até de meninos e meninas.


Agudizaram o trabalho escravo e geraram a tortura e a morte de milhares de pequenos agricultores e trabalhadores rurais.


Nosso IDH melhorou? É verdade. Nós, classe média, temos até boas escolas e universidades para os nossos filhos.


Temos, é verdade, computadores da hora, geladeiras que só faltam falar, celulares bacanas que fazem de tudo - até telefonar, por incrível que pareça...


Mas temos, também, mais de 70% dos nossos eleitores que mal sabem ler e escrever; 70% dos nossos eleitores possuem, quando muito, o primeiro grau completo.


Temos milhões de paraenses e de amazônidas que vivem em casebres deteriorados e imundos, sem água potável, sem luz, sem saneamento básico. Gente que morre nas filas dos hospitais – quando há hospitais para se morrer à porta!...


Gente que carrega espécie de maldição, espécie de “marca da miséria”, para transmitir às futuras gerações, pela falta de educação e de direitos elementares de Cidadania.


Famílias inteiras – cerca de 40% da nossa população – em que cada integrante tem apenas a metade de um salário mínimo, no máximo, para sobreviver. Quer dizer: pra comer, pra morar, pra comprar remédio, pra pagar passagem de ônibus.


É o caso de se perguntar: qual, afinal, a “grande revolução” que esses “grandes projetos” trouxeram à vida do nosso povo?


Qual a “extraordinária” mudança, na qualidade de vida da nossa gente, que Belo Monte irá trazer?


Vejam bem: não estou a falar do benefício que a usina de Belo Monte trará para as grandes empresas, especialmente as grandes empresas mineradoras, que há anos arrancam daqui as nossas riquezas, sem nos deixar nada em troca.


Também não estou a falar das empresas de outros estados que vão bamburrar com a nossa energia.


Estou a falar de pessoas, do nosso povo. De nós, os paraenses!


Durante anos e anos populações inteiras da região da Transamazônica viveram sem energia elétrica.


O linhão da hidrelétrica de Tucuruí passava praticamente por cima das casas delas.


Mas esses paraenses – de nascimento ou por adoção – viviam à luz de velas.


E os donos de estabelecimentos comerciais – gente pobre que, sabe-se lá como, conseguiu montar um comércio – tinham de viajar a cidades próximas, para comprar gelo que eles estocavam sob serragem, dentro de isopores, de modo a ter uma bebida gelada para oferecer ao freguês.


Durante anos essas pessoas viveram literalmente no meio da mata escura - apesar da hidrelétrica de Tucuruí.


Naquela época, como agora, o Governo Federal estava se lixando para os paraenses.


O que se pretendia, exatamente como se pretende agora, era simplesmente garantir energia barata às empresas que exploram os nossos minérios.


E essa é, certamente, uma das partes mais dolorosas de toda essa história: qual o retorno que nos dão tais empresas, ao menos em termos de impostos? – impostos que são para construir escolas, estradas, hospitais!...


O que é que fica pra nós, e para os nossos filhos, netos e tataranetos, de toda a riqueza que essas empresas retiram daqui?


Belo Monte vai mexer com uma extensa área intocada, numa das poucas regiões intocadas deste Pará e desta Amazônia tão maltratada!...


Essa usina – uma Usina da Morte! – destruirá grandes extensões de floresta e dizimará milhares de animais.


Destruirá patrimônios biológicos e arqueológicos que nem sequer conhecemos.


Levará a fome às populações indígenas e ribeirinhas – a fome que aqueles índios e aqueles ribeirinhos nunca conheceram!


Tudo em nome de um “progresso” que nunca chegará de verdade para o nosso povo, enquanto formos, apenas, este grande armazém de recursos naturais.


Passadas décadas – quarenta anos! – dos primeiros “grandes projetos”, ainda continuamos meros exportadores de matérias-primas.


Tudo o que recebemos foi mais e mais miséria.


E uma floresta tão devastada, que, sabe Deus!, se os nossos bisnetos e tataranetos, um dia, conhecerão.

Índios protestam no You Tube



Tem versão nova no You Tube do vídeo do Greenpeace sobre a mobilização dos índios do Xingu contra a Hidrelétrica de Belo Monte.


O link está aqui:
http://www.youtube.com/watch?v=ZmOozYXozb8




Mas o vídeo também pode ser visto abaixo:








Dia do Palhaço. Ops, do eleitor...


Vejam só: tramita na Câmara dos Deputados projeto do pedetista pernambucano Paulo Rubem Santiago criando o “Dia do Palhaço”.


Comentário da minha correspondente do Brejo News: deve de ser, comadre, uma singela homenagem das Vossas Excelências ao eleitor...

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Imagem turbinada: Lula vai gastar R$ 700 mi em publicidade



O Governo Federal vai gastar R$ 700,4 milhões em publicidade, em 2010.



É o maior volume de recursos destinado à rubrica, nos últimos anos.


Quase um terço do total – ou mais de R$ 199 milhões – vão parar no gabinete da Presidência da República.


É mais do que os R$ 120 milhões que o Fundo Nacional de Saúde (FNS) disporá para as campanhas publicitárias do SUS.

Em dez anos, segundo dados da própria Secretaria de Comunicação da Presidência, os gastos do Governo Federal em publicidade emplacaram quase R$ 10 bilhões – o equivalente a mais ou menos 10 mil escolas, cada uma com 12 salas de aula.

Parte desse dinheiro foi torrado por FHC – o que significa dizer que tucanos e petistas se equivalem na gastança.

A mídia predileta de ambos foi a TV, que abocanhou 60% desses recursos.

Tem mais aqui na reportagem de Amanda Costa para o site Contas Abertas


http://contasabertas.uol.com.br/WebSite/Noticias/DetalheNoticias.aspx?Id=4

Internet pública: acessos do Bengui superam em 4 vezes Estação das Docas




Do blog da Ana Júlia




"O Benguí é um bairro de Belém que fica distante do centro. Foi nesse bairro que liberei o primeiro sinal livre de internet, com antena na AMOB - Associação dos Moradores do Benguí, que fica estrategicamente posicionada no point do bairro: uma área com muitos carros de cachorro quente, muita vida, muita energia e onde os jovens se encontram e as famílias atualizam as conversas.



Muita gente dizia que ninguém ia acessar internet nessa área. Eu mesma imaginei que na Estação, com mais conforto, mais segurança, olhando a baía do Guajará, o número de acessos seria o maior de todos.




Me surpreendi com a realidade. O Benguí tem 4 vezes mais acessos que a Estação das Docas.




Esse dado revelador só confirma que quando um governo dá oportunidade e acesso às populações mais pobres, essas populações utilizam os serviços. E confirma também que nós estamos no rumo certo em olhar e cuidar de todos e todas mas muito mais do que mais precisam, como a população do Benguí que agora conta com área livre para acessar internet.




E que o povo tem utilizado esse serviço de inclusão social que começou a ser desenhado, estruturado a partir de 2007.



Ponto pra mudança!"




http://anajuliacarepa13.blogspot.com/2010/01/bengui-tem-4-vezes-mais-acesso-internet.html


Puty e o “Rei Sol”


Do Blog da Professora Edilza:





"A fabricação do rei II



Neste domingo, foi publicado como capa da revista Troppo, no jornal Liberal, a foto do chefe da Casa Civil, Cláudio Puty, e no interior da revista, fomos “contemplados” com uma matéria de pessoas que saíram do estado para aprimorar seus conhecimentos e voltaram para o Pará.


Lembrei de um livro de Peter Burke, chamado “A fabricação do Rei”, cujo objeto formal é o famoso personagem de Luis XIV, o Rei Sol, que reinou durante 72 anos, e que se tornou quase um emblema da monarquia absolutista europeia, tão marcada pelo luxo e por demonstração de riquezas, uma figura pública, conscientemente construída.

A novidade do livro de Burke, foi mostrar como os monarcas foram os inventores do “marketing político”, e neste sentido fizeram escola.

No centro de sua análise, está a noção de estratégia, na qual a propaganda surge como meio de assegurar a submissão ou sentimento a um poder. O livro privilegia a imagem criada do rei, em detrimento do homem. Sua imagem é esculpida de maneira cuidadosa. Trata-se de projetar a imagem de um homem público. Tal qual, um evento multimídia, o rei está presente em todos os lugares e será cantado em verso e prosa.


O Rei torna-se exemplo radical do exercício e da manipulação simbólica do poder. A monarquia francesa, no livro, é um bom pretexto para discussão de política e manipulação do imaginário simbólico, ou mesmo para verificação de como a política se faz com a lógica “da razão prática, mas também com a força da persuasão da razão simbólica”. No livro fica evidente como a propaganda e a política mantiveram relação de profunda e estreita afinidade.


Sem dúvida um livro atual e uma leitura imperdível para aqueles que pretendem fabricar o rei. Eu lembrei do livro, depois de ver a revista Troppo. Por que será que o jornal privilegiou o tema de volta para casa?

E mais, por que colocou a foto do secretário?

E pensei... A vida do deputado federal Paulo Rocha, merecia uma edição desta. Menino pobre, estudou na escola Salesiano do Trabalho, foi gráfico, líder da oposição sindical no Pará, fundou a CUT, um dos fundadores do PT e se elegeu deputado federal em 1990, só com o apoio dos movimentos sociais.

Hoje, é reconhecidamente um bom parlamentar. Claro que não é um Deus e teve seus erros, mas todos o reconhecem como um construtor do partido. Não merecia uma capa da Troppo?

É só mudar o tema da revista.

Mas ai entram as relações entre politica, poder e propaganda. Afinal ele é o candidato do PT ao senado. O poder pode dar uma ajuda na propaganda e talvez nas próximas edições da revista, vejamos o deputado Paulo Rocha na capa. O PT ficaria agradecido".

Tem mais aqui:
http://edilzafontes.blogspot.com/

Os erros, a imagem e as chances de reeleição da governadora




Do blog Bilhetim, do cientista político Edir Veiga:





Sucessão de 2010: um balanço
inicial do governo Ana Júlia





Para introduzir minha análise apresento alguns dados recentes acerca da imagem da governadora do Pará perante o eleitorado estadual.
Dêem uma olhada a quantas andam a imagem da governadora do Pará:as fontes são confiáveis e retrata uma pesquisa de dezembro de 2009.


2.Percepção da imagem da Governadora Ana Júlia



E como a Governadora Ana Júlia Carepa é vista pela população do Pará? O que vem a mente deste povo quando se fala o nome de Ana Júlia?



O tamanho da imagem Positiva é de apenas 23%. Agora, quando se trata de imagem Negativa o índice vai para 65%. Em relação às mesorregiões do Estado, a que se destaca com melhor percentual de imagem positiva é a mesorregião do Baixo Amazonas, 49%. As de piores desempenhos de imagem da governadora são: Marajó (93%), seguida da Metropolitana (75%), Sudoeste (71%) e Nordeste 60%).



A ANÁLISE:


1- Dediquei 17 anos de minha vida ao PT. Desfiliei-me politicamente no ano de 2002. Entre os anos de 1981 e 1984 fiquei transitando entre a convergência, DS, e a dissidência esquerda do PC do B , para finalmente ingressar com toda força no PRC até 1988. No PT, o PRC adentrou a partir de 1985 e lançou Humberto Cunha prefeito de Belém, alcançando o percentual histórico, para aquela época, de 10% do eleitorado.
Fui da direção municipal e estadual do PT e da direção estadual e nacional da CUT.



2- Saí do PT por motivos profissionais, já era mestre em Ciência Política e estava cursando o doutorado, aí eu teria dois caminhos, ou seria cientista do PT, ou um acadêmico da UFPA para discutir, sem o constrangimento de enfrentar a disciplina partidária, temas polêmicos como o mensalão, ou a avaliação de governo quando o PT fosse o partido incumbente. Optei pela segunda alternativa.



3- Hoje assisto com alegria o grande desempenho de um governo de centro esquerda no Brasil, o governo Lula, sem dúvida será lembrado como aquele que alçou vôo, levando consigo grande parte do povo brasileiro. Até recentemente o crescimento econômico não era acompanhado da distribuição de rendas, controle inflacionário e geração de novos empregos formais. Lula, pelos números ostentados em relação a: investimento em educação, nas universidades federais e no ensino técnico e tecnológico. Investimento no ensino fundamental e nos salários dos professores. Investimento na agricultura familiar, que gerará nos próximos 15 anos uma classe média rural. A política de cotas nas universidades que gerará uma nova classe média, baseada nos sem universidades de ontem. Enfim Lula tem indicadores em todas as áreas das políticas de Estado, incluindo a diminuição da dependência comercial com os EUA e ampliando o acesso ao comércio com a China, África do Sul, Rússia e Oriente médio. Então podemos afirmar com convicção, o governo Lula têm muito mais méritos do que deméritos, daí ser o presidente brasileiro campeão em popularidade.
E o governo Ana Júlia como vai?



4- Como ponto de partida posso afirmar que quando penso em Ana Júlia me sobressai, de início, imagens negativas: DAS para manicure, privilégio ao piloto namorado, a menor encarcerada de Abaetetuba, o escândalo do kit escolar, mortes de bebês na Santa Casa, o sucateamento do Ophir Loyola, e agora mais recentemente, denúncias em torno de propinas a partir de obras públicas.



5- Do ponto de vista político outras imagens negativas se sobressaem: concentração do núcleo de governos nas mãos de pouquíssimas pessoas de seu relacionamento pessoal, em detrimento do partido e da base de apoio partidário e parlamentar. Reclamações de toda a base aliada de que os acordos firmados com a Casa Civil nunca são cumpridos. Reclamações da bancada federal quanto às emendas orçamentárias para o estado, onde a governadora, prometeu e não cumpriu de que acrescentaria às emendas individuais o mesmo valor alocado pelo deputado federal ou senador, independente de partido. Incapacidade em gastar os recursos orçamentários alocados pelos deputados e senadores, através de emendas de bancada. Neste ano o governo do estado não teria tido a capacidade gastar em torno de 500 milhões, das verbas destinadas ao estado e esta teria sido devolvida.



6- Estes erros, que são crassos nas relações políticas, poderiam e deveriam ser superados a qualquer momento, principalmente relacionado à base aliada, bastando para isso que a chefe do executivo bata o martelo e altere as relações políticas e institucionais que vem estabelecendo com a base aliada.
A nove meses das próximas eleições esta decisão ainda não foi tomada, e hoje tenho muitas dúvidas se as relações de parcerias e confiança ainda podem ser reestabelecidas com a base de centro direita no parlamento e nas prefeituras. Quanto ao PT, este não tem outro caminho de que não seja tentar viabilizar a candidatura Ana para que tenha reflexos eleitorais positivos, através do desempenho da legenda e na conquista de um quociente eleitoral favorável às bancadas federais, estaduais, e na disputa senatorial.



7- Mas neste mar de imagens negativas, o governo tem o que mostrar, mas passou 36 meses sem conseguir mostrá-los, ou quando o fez, o executou sem criatividade e com baixa capacidade convencimento, senão vejamos: O governo não capitalizou ostensivamente as iniciativas federais no estado como a criação da UFOPA, as eclusas de Tucurui, a retomada do asfaltamento da Transamazônica e da BR 163, a siderúrgica de Marabá, a extensão da ferrovia norte-sul à Barcarena.



8- O governo também tem boas iniciativas estaduais, e só agora começa a mostrar uma propaganda mais agressiva e consistente como: a bolsa trabalho, os parques Tecnológicos em construções, a ação metrópole, o Navega Pará, pequenas obras de infra-estrutura municipal, como as construções de trapiches, estradas vicinais e construções de escolas, postos de saúde e equipamentos hospitalares.



9- A grande decepção do governo Ana Júlia foi sem dúvida a perda da marca registrada do PT nas áreas da saúde e educação. Têm sido paradigmáticas as revoluções silenciosas patrocinadas nas administrações municipais e estaduais comandas pelo PT nestas duas áreas. A partir de uma visão aparelhista do controle de áreas essenciais do Estado para fins de reeleição, deixou-se em segundo plano a questão de Saúde e Educação.



10- Não foi experimentada nenhuma ação articulada visando o estabelecimento de novos métodos de aprendizado e gestão escolar. Uma minoria de escolas funciona exemplarmente em detrimento da maioria atolada pelo compadrio entre diretores e professores. Não houve ações coordenadas que envolvessem tanto órgãos e dirigentes estaduais com as secretarias municipais, para superar problemas relacionados à gestão e às novas metodologias de aprendizado. Não houve o empoderamento orçamentário e político do espaço escolar. Além de se ter privilegiado a confiança política para a ocupação de cargos técnicos em detrimento da prioridade da competência específica aliada à confiança.



11- Em relação ao setor saúde, nem se fale. A saúde foi rifada para cumprir acordos eleitorais. Sem dúvida existiriam outras maneiras e cumprir acordos, mas a saúde e educação não deveriam ter sido secundarizadas pelo governo. Para os pragmáticos direi com toda a convicção: Saúde, Educação, Assistência Social e Segurança não podem ser locais de barganha e onde não deve nem ser pensado a possibilidade de aparelhamento, porque são essenciais para armar a sociedade pobre para a competição na sociedade, patrimonializar estes setores de governo trará reflexos devastadores para toda àquelas pobres vidas, e por um longo tempo.



12- A gestão da saúde é um dos principais problemas a serem enfrentados pelos governos. Apesar dos recursos fluírem fundo a fundo, as coisas não acontecem na ponta. Os pacientes não são bem recebidos, as filas são intermináveis, a falta de médicos é uma constante, a Estratégia Saúde da Família está desvirtuada por causa do aparelhamento e apadrinhamento político municipal.



13- Mas Ana Júlia tem grandes chances de estar no segundo turno. A melhoria da comunicação política, as obras federais e estaduais bem capitalizadas, a aliança eleitoral com partidos e prefeituras e o grande poder da máquina estadual, dos recursos organizativos e financeiros, a fazem uma grande atriz política ao próximo processo sucessório.



14- A quebradeira estadual do PSDB, a partir das eleições municipais de 2008. O fato de Jáder Barbalho não querer arriscar perder mandato em 2010, numa disputa para o executivo. O desmonte moral que o Diário do Pará executou contra a gestão Dudu em Belém, nos últimos 3 anos, são fatores que deixam a possibilidade do governo Ana e o PT sonharem ainda em conseguir uma reeleição, num contexto de péssima gestão política, administrativa e orçamentária no estado do Pará nestes últimos 37 meses. Imaginem, apesar desta análise, afirmo e reafirmo, Ana ainda tem chances de se reeleger. É... são coisas da política.




http://bilhetim.blogspot.com/2010/01/pt-para-onde-anda-o-teu-dna-historico.html


Miséria não dá Ibope




Do blog do Hiroshi:




"Os desvalidos da Vale




A Assessoria de Comunicação da Vale informa que a mineradora patrocinará a restauração da estátua do Cristo Redentor, eleita uma das Sete Maravilhas do Mundo.


No embalo da valorizada jogada de marketing, veja essa pérola do diretor de comunicação da Vale, Fernando Thompson, justificando o altíssimo investimento do babado:


- "Este é um projeto carioca, porque o Cristo está no Rio; brasileiro, porque ele é um símbolo nacional; e mundial, porque o Cristo foi reconhecido como uma das Sete Maravilhas do Mundo. Nada mais natural do que a Vale, que é uma empresa brasileira, global e reconhecida como líder mundial de minério de ferro, se associar ao Cristo. Queremos trabalhar esta brasilidade vencedora globalmente".


Como miséria e fome esticadas no interior do Pará pelos grandes projetos minerais não simbolizam encantamento, a Vale pisa bonito no freio quando solicitada para patrocinar os clubes paraenses.


Hoje, nem pré-temporada do Águia no território de Carajás, a poderosa permite".


http://hiroshibogea.blogspot.com/2010/01/os-desvalidos-da-vale.html


PV define alianças dia 3 de fevereiro



No blog do O Estado do Tapajós




"O presidente regional do Partido Verde, José Carlos Lima da Costa, visitou sexta-feira a redação de O Estado do Tapajós em companhia do vereador Valdir Matias Junior, para convidar o jornal para o encontro regional do PV que será realizado em Belém, dia 3 de fevereiro.



Durante o encontro, que será realizado no auditório João Batista da Assembléia Legislativa, os membros do Partido Verde deliberarão sobre as alianças que o PV fará visando as eleições de 2010.
Segundo José Carlos, o PV tomará uma decisão em direção a um dos grupos políticos majoritários no Pará. “Temos que tomar uma decisão. Não dá para o PV servir a dois senhores. Vamos decidir nosso rumo dia 3”, afirmou.




http://blogdoestado.blogspot.com/2010/01/pv-se-reune-dia-3-de-fevereiro-para.html


PPS quer a vice de Jatene

No blog do Jeso




"O PPS decidiu no sábado (23), durante convenção estadual da legenda, em Belém, que o partido irá caminhar em 2010, preferencialmente, ao lado do PSDB, que já lançou como candidato ao governo do Pará o ex-governador Simão Jatene.

O encontro foi coordenado pelo presidente regional do partido, deputado estadual Arnaldo Jordy, e contou com a participação do deputado estadual João Salame, de prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e dirigentes de diretórios municipais.


Para formalizar o apoio, o PPS vai reivindicar participação na chapa majoritária nos cargos de vice-governador ou senador, já que o partido considera ter nomes de peso e respeitados para ocupar uma dessas vagas, como, por exemplo, dos próprios deputados Jordy e Salame, e do doutor em Direito, Helenilson Pontes, que na eleição passada concorreu ao cargo de deputado federal.


O partido também decidiu formar uma comissão para elaborar propostas com o fim de contribuir com o programa de governo a ser defendido pela chapa.


“O PPS não assina contrato de consórcio, aderindo pura e simplesmente a uma candidatura. O partido quer influir em questões importantes sobre o futuro do Pará’, disse o vereador de Belém e líder do PPS na Câmara, Augusto Pantoja.


Outra decisão importante será promover cursos de formação política aos integrantes dos diretórios municipais com o objetivo de fortalecer a legenda às eleições 2010. No encontro estadual, 52 lideranças já se apresentaram como candidatos à Assembléia Legislativa e 8 à Câmara Federal.
Fonte: PPS/PA"


http://www.jesocarneiro.com/pps-pede-vaga-de-vice-para-apoiar-simao-jatene.html

PNDH deixa donos da mídia em pânico




Do Observatório da Imprensa







OS ESPELHOS, O HORROR
Mídia à beira de um ataque de nervos





Por Alberto Dines





A mídia brasileira está sendo vítima de um surto da síndrome do pânico: está com horror ao espelho. Berra e esperneia quando alguém menciona a organização de conferências ou debates públicos sobre meios de comunicação, imprensa, jornalismo. Apavora-se ao menor sinal de controvérsias a seu respeito, por mais úteis ou inócuas que sejam. Parece ter esquecido que o direito de ser informado é um dos direitos inalienáveis do cidadão contemporâneo. O Estado Democrático de Direito garante a liberdade de expressão e o acesso universal à informação.



A instituição criada para impedir unanimidades, o poder instituído para promover o pluralismo, o bastião do Estado Democrático de Direito, agora se sobressalta e entra em transe quando pressente outros holofotes tentando focalizá-lo.



Diagnóstico 1: modéstia. Diagnóstico 2: narcisismo. Diagnóstico 3: onipotência. Diagnóstico 4: hipocrisia.




Nada impositivo




O primeiro episódio ocorreu no início de dezembro, antes da 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom): o grosso das corporações empresariais de mídia desistiu de participar dos debates, compareceram apenas duas. As únicas que ficaram bem na fita. A Confecom chegou ao fim, produziu um calhamaço de propostas, a maioria inócuas, e os ausentes nem puderam cantar vitória porque se escafederam antes das luzes se apagarem (ver, neste OI, "Lições de manipulação" e "O misterioso e suspeito desaparecimento do Conselho de Comunicação Social").



Menos de um mês depois, final de dezembro, novo faniquito: o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH). A mídia inicialmente parecia sensível aos apelos das vítimas, parentes ou entidades em defesa dos direitos humanos para reabrir as investigações sobre a repressão política durante o regime militar. Então aparece a Associação Nacional de Jornais (ANJ) e começa a urrar como aquelas senhoras que pressentem uma barata no quarto escuro.



A mídia individualmente e a ANJ como corporação tiveram meses para estudar o 3º PNDH, esta é a sua função em nome da sociedade. Só se lembraram de examinar o documento quando o debate sobre tortura já estava aceso e alguém sugeriu abrandar o confronto e mudar o enfoque: que tal discutir a mídia? Então a mídia deu marcha a ré e entrou numa briga que não era sua porque no programa figurava a sugestão para a criação de um ranking das empresas de mídia (sobretudo mídia eletrônica) que respeitam os direitos do seu público e não lhes impinge baixarias. Convém lembrar que o PNDH é um programa, coleção de propostas, nada tem de mandatório ou impositivo.



O ombudsman da Folha de S.Paulo, Carlos Eduardo Lins da Silva, revoltou-se, caiu de pau no seu jornal (ver "Ombudsman critica omissão do jornal"). Acontece que a Folha, por rodízio, tornou-se a mais estridente defensora das posições da ANJ porque a sua presidente é uma das superintendentes do jornal.




Símbolos religiosos




É antiga a idéia de incluir a cruzada contra a baixaria televisiva nas iniciativas em defesa dos direitos humanos. Já em 1999, no primeiro mandato de FHC, o então Secretário Nacional de Direitos Humanos, José Gregori, tentou enquadrar os canais de TV que recusavam a classificação da programação por faixa etária (ver, neste Observatório, "Os fanáticos ensandecidos"). Então, por que tanto chilique?



O Estado de S.Paulo chegou a publicar uma entrevista com o professor Paulo Sérgio Pinheiro, consultor das Nações Unidas para questões de direitos humanos, na qual ele afirmava categoricamente que o 3º PNDH era herdeiro dos dois anteriores (produzidos nos mandatos de FHC) e que sua abrangência enquadrava-se nas recomendações e paradigmas internacionais.



A CNBB, campeã da luta contra a tortura ainda nos anos de chumbo, esqueceu o seu glorioso passado e pôs-se a berrar contra outras sugestões do 3º PNDH: liberar as restrições contra o aborto, permitir a união civil de pessoas do mesmo sexo e proibir a utilização de símbolos religiosos em instalações públicas. Mesmo sabendo que nada disso poderia ser implementado sem os devidos trâmites legislativos, a CNBB e a ANJ insistiram na histeria.



E ficaram todos muito felizes quando o salomônico presidente Lula mandou copidescar o texto do PNDH por ele assinado. Não se fala mais em direitos humanos nos próximos doze meses. Engano: a luta pelos direitos humanos não tem dono, está definitivamente incluída na pauta dos debates nacionais. Tortura não é coisa do passado, é do presente.



É melhor liberar o aborto do que encontrar diariamente nos lixões recém-nascidos abandonados por mães solteiras. A exibição de símbolos religiosos em repartições do Estado afronta aqueles que acreditam que o Estado é garantidor da isonomia cidadã, da democracia e da tolerância.




Causas e terapias




A síndrome do pânico voltou a manifestar-se intensamente no último fim de semana – e não por causa da catástrofe do Haiti –, quando o Estadão descobriu que em março começará uma nova conferência nacional, desta vez para discutir cultura. Deus nos acuda, horror. Cultura? Chamem o Goering! Na pauta menciona-se a necessidade de promover a regionalização da produção televisiva e aparece a expressão maldita "monopólio de comunicação".



Tremendo de medo, lívida, cheirando seus sais, Madame Mídia convocou o seu zorro preferido: o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ, ex-ministro das Comunicações do atual governo, o mesmo que pediu a impugnação integral da Lei de Imprensa, esquecido de que algumas de suas cláusulas eram indispensáveis para evitar o vácuo legal). O herdeiro de Chagas Freitas, ex-colunista especializado em pedir votos aos funcionários públicos, desinteressado como sempre, investiu imediatamente em defesa da aterrorizada mídia negando a existência de qualquer monopólio nos meios de comunicação.



Qualé, seu Miro – já esteve em Santos? Sabe o que se passa na maioria das capitais do Norte-Nordeste? Já examinou a situação das nossas cidades médias onde a principal emissora de TV é também a principal acionista do maior diário? Conhece os regulamentos da Federal Communications Commission (FCC) americana que impedem a propriedade cruzada de veículos na mesma região?



A síndrome do medo tem várias causas e várias terapias. Fármacos resolvem. O divã, porém, é mais eficaz.




http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=573JDB001


Energia de biomassa ilumina comunidade do Marajó



No blog O Jornalismo dá Asas





“O Pará é um dos estados brasileiros que se destaca por sua enorme extensão territorial, algo inigualável. E quando o assunto é levar serviço de primeira necessidade, como energia elétrica, às populações ribeirinhas que ficam em locais bastante remotos, não se imagina o esforço que se faz para criar estratégias de logística na realização do serviço. É o que a Celpa vem fazendo na comunidade de Santo Antônio, localizada no município de Breves.



A remota comunidade de Santo Antonio Rio Itaquara fica às margens do Rio Itaquara e é onde a concessionária está com o projeto piloto de uma usina a vapor que produzirá a energia elétrica por meio do aproveitamento dos resíduos de biomassa vegetal, gerados numa pequena fábrica de vassoura, instalada na própria comunidade. O projeto conta com a parceria da Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio do GEDAE - Grupo de Estudos e Desenvolvimento de Alternativas Energéticas da UFPA, e a participação do Laboratório de Energia, Biomassa e Meio Ambiente EBMA, da Faculdade de Engenharia Mecânica. A usina deverá entrar em operação a partir de junho deste ano.



Para atender a comunidade, técnicos e engenheiros do Departamento de Planejamento e Engenharia (DPE) da Celpa e os pesquisadores da UFPA levam mais de 13 horas de barco para chegar até a comunidade, que fica distante de Belém 318 quilômetros.
O gerente do DPE da Celpa, Carlos Albuquerque, diz que o trabalho representa um desafio para a empresa. "Considerando-se as peculiaridades de nosso estado, onde estão presentes inúmeras comunidades localizadas em regiões remotas, enfrentando dificuldades de toda ordem, agravadas por condições precárias de acesso, é oportuno ressaltar a importância desse projeto piloto, que levará o benefício da energia elétrica a essa parcela de brasileiros", disse.



A comunidade Santo Antonio Rio Itaquara possui mais de 30 famílias residentes e as principais atividades econômicas da vila são laminação de madeira, produção de cabos de vassoura, pesca e coleta de açaí. Atualmente a fábrica que produz os cabos de vassouras utiliza energia elétrica gerada por motor movido a óleo diesel.



Os moradores aguardam com ansiedade a implantação do projeto para desfrutarem dos benefícios da energia elétrica. É o caso do senhor Benedito Tenório Cardoso, que trabalha na fábrica e já vive na comunidade há mais de 20 anos com seus seis filhos e esposa. “Às vezes tenho vontade de assistir à programação da televisão quando chego do trabalho, ver as notícias do jornal ou escutar uma música, mas não posso. Então espero que as coisas melhorem por aqui. Ainda temos que acender vela ou lamparina para passar a noite”, contou.



A dona de casa Maria Dinete Almeida Lopes, nativa de Santo Antonio, apesar das dificuldades, tem boas perspectivas para melhorar a renda familiar e não vê a hora de começar a por em prática suas ideias. “Acho muito ruim viver sem energia elétrica. Precisamos fazer muita coisa, mas não temos como. Às vezes quero passar uma roupa, tomar água gelada, usar ventilador, bater um açaí na máquina (a gente tem uma aqui em casa), mas não é possível. Acho que quando a energia chegar as coisas vão melhorar. Espero até colocar uma venda de chopp de frutas e lanches”, falou Maria, muito animada”.




(Texto: Emanuel Jadir/Ascom Celpa)


http://ojornalismodaasas.blogspot.com/2010/01/comunidade-do-marajo-tera-energia.html


You Tube vai alugar filmes



No blog do Enríquez, uma novidade pra lá de bacana. Espalhem!



Cultura e Cinema - You Tube inaugura novo serviço de aluguel de filmes: começarão com uma seleção de graça do Festival de Sundance




Além de compartilhar os lucros dos vídeos mais populares com seus donos, YouTube acrescentou uma boa nova: agora se poderão alugar filmes a um preço muito baixo e por meio do seu Site.


Mas cuidado, que além dos filmes de carteleira se oferecerá uma grande oportunidade a realizadores independentes, que verão a YouTube como uma janela para alugar suas criações cinematográficas.


Entre US$0.99 e US$19.99 pelo aluguel de filmes disponíveis em linha desde 24 horas até um máximo de 90 dias, os usuários poderão desfrutar da melhor seleção cinematográfica.


Para animar aos usuários do seu portal, YouTube lançará um especial com algumas fitas do Festival de Sundance que desde esta sexta feira 29 e até dia 31 de janeiro estarão disponíveis sem custo.



Mais aqui:
http://blogdoenriquez.blogspot.com/


Cutucando onça: PT insiste em se livrar de Temer


Deu no Estadão





Comando da campanha de Dilma quer
apoio de aliados para rifar Temer

Tática preserva aliança com PMDB, mas, na avaliação do governo, o deputado não tem voto nem agrega apoio





Vera Rosa


BRASÍLIA- O comando da campanha da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, ao Palácio do Planalto tem resistências à indicação do presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), como vice da chapa petista e procura construir alternativas na seara do PMDB sem deixar digitais na operação política. Na expectativa de que muitos aliados desejem rifar Temer, petistas estimulam agora, nos bastidores, os partidos da frente de apoio a Dilma a opinar sobre o vice.


A tática não implica mudança na estratégia geral. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o PT querem o PMDB de vice na chapa e avaliam a parceria como fundamental para eleger a chefe da Casa Civil. O problema está concentrado em Temer, que, na opinião do governo, não tem voto nem agrega apoio, apesar de ser de São Paulo, o maior colégio eleitoral do País.


A dobradinha com o PMDB foi assunto da reunião promovida pela corrente Construindo um Novo Brasil, majoritária no PT, na sexta-feira e no sábado, em São Roque. O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu repetiu ali a opinião manifestada por Lula em dezembro: a candidata precisa ser consultada antes de batido o martelo sobre o vice.


"Não existe indicação de vice sem acordo mútuo entre os partidos da coalizão que apoiará a candidatura", afirmou Dirceu, insistindo em que a posição era pessoal e já havia sido manifestada em seu blog. Para o ex-ministro, que voltará a ocupar assento na direção do PT ao lado de outros réus do mensalão, a prioridade, hoje, não é o nome do vice, mas sim a montagem dos palanques estaduais.


As cúpulas do PT e do PMDB marcaram novo encontro para amanhã, na tentativa de fechar acordo em Estados onde os dois partidos vivem às turras, como Pará, Bahia, Ceará, Mato Grosso do Sul e Minas. O ministro das Comunicações, Hélio Costa, quer concorrer ao governo de Minas e está em rota de colisão com o PT, que tem dois pré-candidatos, o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel e o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias.


Costa admite trocar a disputa em Minas pela vaga de vice de Dilma, mas fatia considerável do PMDB torce o nariz para essa ideia. Para fortalecer Temer, a convenção do PMDB, que vai reconduzi-lo à presidência do partido, foi antecipada em um mês, de março para 6 de fevereiro. No fim do ano passado, o nome de Temer apareceu na Operação Castelo de Areia, da Polícia Federal. Ele classificou como "safadeza e indignidade" a denúncia de que teria recebido R$ 410 mil da construtora Camargo Corrêa entre 1996 e 1998.


O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, cristão novo no PMDB, também está de olho na cadeira de vice e a opção ganha força no governo. Mas auxiliares de Lula dizem que o Planalto não vai esticar a corda se perceber que só Temer garantirá a manutenção da aliança.


Em dezembro, Lula provocou a ira do PMDB ao sugerir a indicação de uma lista tríplice para que Dilma escolhesse seu vice. "Isso é que nem casamento", comparou o presidente. "Quem vai casar com o vice é a candidata e você não pode empurrar alguém que não tenha nenhuma afinidade com ela, porque aí será a discórdia total, não é?". Dias depois, Lula tentou jogar água na fervura da crise. "Temer é um grande companheiro", elogiou.


Convencido de que está em curso a fritura de Temer, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), avisou que seu partido não aceitará imposições. "O PMDB não veta ninguém, mas também não admite ser vetado." Depois, mais cauteloso, afirmou que "o PMDB é uma sorveteria cheia de qualidades" e tem outros nomes. Destacou, porém, que Temer é o que mais unifica a sigla.


"Do jeito que o PMDB está fazendo, não está adequado", disse o líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP). "Eles acham que há um tensionamento no PT e estão vendo briga onde não existe". Para Vaccarezza, Temer é a melhor opção. "Há companheiros que acham outra coisa, mas quem vai decidir é o PMDB, Dilma e os partidos da frente, com pouco peso do PT", amenizou.



COLABOROU EUGÊNIA LOPES


http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100126/not_imp501435,0.php

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Vic Pires Franco, um canalha a varrer da História




Retirei a postagem abaixo do blog do diz-que deputado Vic Pires Franco.


Leiam, pois vou comentar.




“Os Favoritos da Ana Julia

- 20/1/2010 10:21:00


BLOGOSFERA E SITES


A perereca da vizinha
Agência Carta Maior
Agência Pará de Notícias
Amazônia1
Ananindeua Debates
Blog da Edilza
Blog da Franssinete
Blog da Meg
Blog do Alencar
Blog do Bacana
Blog do Bordalo
Blog do Diógenes
Blog do Henrique Branco
Blog do Hiroshi
Blog do Hrba
Blog do Jeso
Blog do Planalto
Blog do Puty
Blog do Waldyr
Blog do Zé Carlos
Blog Espaço Aberto
Blog Estado do Tapajós
Blog Flanar
Blog Fábio Castro
Blog Na ilharga
Carta Capital
DIAP
Dilma
Diário do Pará
FaloPorqueTenhoBoca
Governo do Pará
Governo Lula
Idesp
Ipea
Jornal Pessoal
Miriquinho PT
Movimento Solidariedade
Nassif
ORM
PT Nacional
Quinta Emenda
Zé Dirceu



A seguir, os comentários, naquele blog, acerca dessa tal postagem:



Ei VIC, teu blog não ta lá, porque? Pode Responder!
SERGINHO.. - 20/1/2010 21:27:00



Ela lê primeiro o Blog do Vic, depois o do pessoal da ABCB e vem com essa de querer dizer que o o teu Blog não é o favorito dela? Ana Julia porque tu não compras um bode e dorme com ele?
- 20/1/2010 18:20:00



Rapá, eu sou mesmo um cretino, visitar teu blog é cretinice. Apesar de ser cretino e não ladrão, muito menos da honra alheia é um espaço que temos para avaliar a conduta de nossos parlamentares. Cara, para de chamar os outros de ladrão e vai trabalhar.
- 20/1/2010 15:11:00



MAIS A CAREPA GOSTA MASI DO TEU E DO BARATA..RSRSRRSRRR
- 20/1/2010 14:08:00



Blog da Edilza? a comadre não faz mais parte da curriola dela há muito tempo, desde que se rebeleou ( para a felicidade dela - Edilza)
- 20/1/2010 13:26:00



essa eh a ABCB.......!!!!!!!!!! soh puxa saco do carai!
- 20/1/2010 13:15:00



ABCB completa
- 20/1/2010 11:33:00





O Meu Comentário:






Fazia tempo que não tinha o desprazer de ir àquela cloaca que o deputado federal Vic Pires Franco insiste em chamar de blog.


Infelizmente, uma amiga me chamou a atenção para o fato de o meu blog ter sido novamente citado naquela imundície.




Fui lá.




E constatei que esse arremedo de homem e de deputado insiste em me ofender e à blogosfera inteira, acobertado que se sente pelo mandato que possui e pelo fato de a Justiça brasileira não punir filhinhos de papai, como é o caso dele.




Vic é, realmente, um exemplo extraordinário de canalhice, mesmo na acanalhada política brasileira.




É um sujeito que se utiliza de um mandato eletivo para ofender as pessoas, como se um mandato eletivo fosse espécie de carta branca a tal comportamento.




É, em suma, uma desonra para o parlamento paraense e brasileiro, e, quem sabe, um caso a ser examinado pela Comissão de Ética da Câmara dos Deputados.




Conheço muitos blogs e sites de políticos; leio, nos jornais, artigos de deputados, senadores, governadores e até do presidente da República.




Mas, em todos esses artigos, sites e blogs o que vejo é que esses parlamentares agem como cidadãos, na defesa democrática de seus ideais.




Algumas vezes de maneira incisiva, é verdade. Mas, sempre na defesa das idéias que consideram justas.




Vic, no entanto, não age assim.




Se espremermos o blog dele, o que sobra é palhaçada, leviandade. Ofensas gratuitas, acusações sem provas. Preconceito, misoginia. E até a exposição intensiva dos próprios filhos, em benefício da carreira dele.




Nada, rigorosamente nada, em favor do interesse público. Apenas uma berlinda financiada com dinheiro público, para um ego miserável e acovardado.




E o que mais espanta é que Vic acha tudo isso lindo, maravilhoso.




Quer dizer, é menos que um doente mental, tamanha a sua incompreensão da dignidade do cargo que ocupa.




A dignidade que deveria obrigá-lo a usar de seu blog para debater idéias – e não para disseminar fuxiquinhos, fofoquinhas, futriquinhas, num espetáculo rigorosamente deprimente para um parlamentar.




Tão ou mais grave, é que Vic é um sujeito tão frouxo, tão acovardado que nem sequer tem a coragem de assumir as acusações que faz, seja através de suas insinuações pestilentas, seja através dos anônimos que encena em seu blog.




Quer dizer: todo esse negócio de “macheza”, de coragem, de “valentia” que ele apregoa por aí, não passa de lári-lári.




Porque, quando chega na hora de sustentar alguma acusação, o “corajoso” deputado Vic Pires Franco simplesmente se esconde atrás do dinheiro, do mandato, das insinuações imundas e do anonimato.




Não passa, portanto, de uma figurinha oca e amoral. Um gnomo em termos de caráter, a provocar repugnância em qualquer pessoa com um mínimo de dignidade.




Desde um café da manhã que a governadora Ana Júlia Carepa ofereceu aos blogueiros paraenses, há cerca de um mês, que o deputado Vic Pires Franco não pára de nos caluniar, com essas insinuações covardes de que somos “chapa-branca”.




É como um demente que se considera a própria Fonte da Integridade: Vic passa o perobal na cara e garante pra todo mundo que faz o único blog independente do Pará.




Como se ninguém soubesse que ele é presidente estadual do DEM, a vanguarda do atraso do Brasil.




Além disso, é um deputado servil, que vive por aí, de quatro, diante de tudo o que é liderança política deste estado, a tentar descolar uma boquinha.




Querem um exemplo? Eis mais uma postagem dele:




“Propina Made in China
21/1/2010


Muito estranha essa história da propina que a Camargo Correa pagou para o PT pela construção dos hospitais.
Será que existe restos de propina, como restos a pagar ?
Mais uma vez, que eu saiba quem construiu os hospitais foi o governo anterior.
Quer dizer então que a tal propina foi pelo pagamento de um "tantinho" de resto obra ?
Só pode, porque o grosso, o grosso mesmo, foi construído e pago no governo anterior.
O "tantão"...
Quer dizer que até de "tantinho" o PT não abre mão ?
Gulosa essa companheirada, hein !
E ainda são bestas e sofisticados !
Propina made in China !
Tiger !
Chiquérrimos !
Vão acabar virando notícia no Bernardino.
Afinal, quem faz e acontece acaba morrendo é lá...”





Vocês não notaram nada de esquisito nessa postagem do deputado?


Eu digo o que é que há de esquisito: Vic não dá UM PIO sobre a acusação de que Jader Barbalho e o PMDB também teriam recebido propina.


Nada! Um silêncio estarrecedor.


E vocês sabem por quê?


Porque Vic está aí, de quatro, diante do Barbalhão, a tentar conseguir o apoio do PMDB à candidatura dele e da Valéria.


Vic quer porque quer o apoio do mesmo Barbalhão que ele tanto criticou.

O mesmo Barbalhão que meteu corda no Vic para que ele ajuizasse aquela ação contra o convênio da Funtelpa com a TV Liberal. Um processo do qual o Vic, aliás, acabou desistindo, quando se acertou com o tucanato.


É engraçado isso...


Em 2006, o “brioso” deputado Vic Pires Franco tentou até mesmo cassar a concessão da RBA.


Mas, hoje, está aí num silêncio obsequioso em relação ao Barbalhão.


É o caso de se perguntar, já que o “valoroso” deputado é tão “independente”: por que é que ele não conta, em seu blog, como é que ficou essa história da concessão da RBA, que, na época, ele considerou um escândalo?


De igual forma, por que é que o “corajoso” Vic Pires Franco não nos fala, também, sobre o convênio entre a Funtelpa e a TV Liberal?


Ora, o deputado até ajuizou uma Ação Popular contra esse convênio, por considerá-lo lesivo aos cofres públicos!


Então, por que é que o “independente” deputado Vic Pires Franco não nos diz se, afinal, as ORM vão devolver aos cofres públicos os mais de R$ 35 milhões que o Estado luta para reaver?


É o caso de se perguntar: mas será que o Vic pensa que a gente não pensa?


Vic se sentiu “ofendido” porque não foi convidado para o café da manhã com a governadora.


Mas, se eu estivesse no lugar da governadora, também não o convidaria.


E sabem por quê?


Porque ele não é o único político paraense a possuir um blog ou um site.


Se fosse para convidar o Vic, então por que não convidar, também, o Giovanni Queiroz, o Flexa Ribeiro, o Zé Geraldo, o Nilson Pinto, o Zenaldo Coutinho, o Carlos Bordalo?


Qual o critério, qual a justificativa, para convidar apenas o Vic e não os demais políticos paraenses, que também possuem blogs e sites?


E o fato é que, desde aquela ocasião, o deputado Vic Pires Franco, movido pela inveja; por um ódio típico de um doente – que ele efetivamente é – passou a atacar todos os blogueiros paraenses, como se fôssemos “culpados” pelo convite para um café da manhã, do qual, pelo visto, ele queria tanto participar...


Não pude comparecer aquele café da manhã. Mas louvei a responsabilidade dos blogueiros que compareceram.


Afinal, os blogueiros, que somos a principal fonte de informação de um número crescente de internautas, deveríamos mesmo é ir lá, para fazermos as perguntas que os nossos leitores gostariam de fazer.


Mas bastou isso para que esse demente que posa de deputado passasse a nos ofender sistematicamente, da forma mais baixa, mas nojenta, com toda sorte de calúnias e piadinhas misóginas, especialmente à Franssinete Florenzano, à Marise Morbach e a mim.


Sim, porque o Vic Pires Franco vive de quatro diante do Barbalhão, mas gosta de bancar o “valente” diante de mulheres...


Penso que essa postura do deputado Vic Pires Franco depõe não apenas contra ele, mas, contra todos os políticos.


É um comportamento absolutamente covarde, grosseiro e desequilibrado, que só agrava a imagem ruim que os formadores de opinião já possuem acerca dos nossos parlamentares.


Penso, ainda, que o Vic não pode continuar impune.


Infelizmente, estou numa situação financeira tão complicada que não tenho nem como investigar quem quer que seja.


Mas, deixo aqui algumas sugestões.


A primeira é a de uma queixa conjunta dos blogueiros paraenses à Comissão de Ética da Câmara dos Deputados, por quebra de decoro – com um pedido de investigação das verbas que, direta ou indiretamente, custeiam o ofensivo blog do deputado.


Ação nesse sentido também poderá ser impetrada em algum tribunal, através do Ministério Público, dada a possível utilização de dinheiro público para promoção pessoal e finalidades marginais.


Também sugiro uma queixa ao Ministério Público, para a investigação do financiamento de campanha do deputado Vic Pires Franco. E uma devassa nas contas de todos os que vierem a contribuir com a campanha dele ou de Valéria, neste ano.


Tenho a impressão de que o Diário do Pará publicou matéria que fiz sobre as doações de várias empresas do setor de Saúde à campanha do Vic, em 2006 – e, na época, a Secretaria Executiva de Saúde (Sespa) era comandada por um correligionário e ex-sócio dele ou de Valéria, o hoje vereador Fernando Dourado.


Algumas dessas empresas possuíam contratos com a Sespa, alguns deles obtidos de forma muito suspeita. E esse é, certamente, um bom ponto de partida para uma investigação minuciosa, inclusive pela Auditoria Geral do Estado, se alguém encaminhar uma denúncia.


Outra linha de investigação possível é quanto à venda do terreno do Makro e de outros bens do Vic, tendo em vista que o testamento do avô dele só permitiria o usufruto patrimonial.


Há, também, a declaração de bens do deputado – e o apartamento onde ele mora, no luxuoso edifício Atalanta, está avaliado em apenas R$ 203 mil.


No TRE, é possível obter, também, todas as declarações de bens do deputado, desde o primeiro mandato dele, para verificar a evolução patrimonial. Vale investigar, também, as pessoas e empresas que contribuíram nas campanhas dele.


É bom não esquecer, ainda, o convênio da Funtelpa com a TV Liberal.


Da última vez em que estive no MP, há uns dois anos, o pedido de devolução de dinheiro aos cofres públicos já estava em R$ 35 milhões.


Não conheço a história dos processos a que o Vic responde. Mas sei que a consulta de arquivos pela internet é, apenas, o ponto de partida para uma investigação.


Por isso, se eu fosse a Franssinete, que é advogada, iria na Justiça do Trabalho, na Justiça Federal e na Justiça Estadual, para consultar e xerocar um por um desses processos – e bateria na porta de cada demandante, para gravar os depoimentos deles, talvez até com o auxílio de uma câmera de TV.


Com base na postagem de ontem da Franssinete (leiam abaixo) penso que cabe, também, uma queixa ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para que se investigue o porquê dessa lerdeza nos processos que envolvem o deputado.


Cabe, ainda, um pedido de investigação contra os oficiais de Justiça que não conseguiram localizar o endereço do Vic – um prédio como o conhecidíssimo Atalanta, no centro de Belém.


E, apesar de estar pra lá de apertada, em termos de tempo e dinheiro, me prontifico a escrever e a ajudar a entregar os panfletos e jornais que os blogueiros queiram imprimir, para distribuição em toda a Grande Belém.


Penso que é preciso, sim, uma grande campanha anti Vic e Valéria, inclusive com um livro de ouro, para os interessados em contribuir financeiramente, para que a gente possa varrer essa praga da política paraense.


Essas histórias do deputado Vic Pires Franco, que é um homem público, não podem permanecer apenas no conhecimento dos formadores de opinião.


Elas têm é de ser massificadas; têm de ser levadas ao conhecimento do povão, especialmente agora em 2010.


Para que as pessoas pensem dez vezes antes de elegê-lo novamente.


FUUUIIIIIIII!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


P.S: Dêem uma olhada também no seguinte: no site do TSE, o Vic aparece como tendo curso superior completo. Mas, no currículo dele, no site da Câmara, consta que ele não terminou o curso de Economia. Quer dizer: será que ele mente até em relação à escolaridade?

A "Justiça" do Vic


Do blog da Franssinete Florenzano:


“Impunidade & injustiça

Se qualquer cidadão trabalhador, honesto, cumpridor de seus deveres, deixar de pagar suas contas, seus empregados e seus impostos, já sabe: arcará com juros, multas, penalidades sem fim, pode até perder o emprego.


Pois o deputado federal Vic Pires Franco, tão rico e viajado, além de ter sido acionado em dezenas de processos judiciais perante a Justiça Federal e a Justiça do Trabalho, por não pagar suas dívidas, responde no TJE-PA aos processos 2009.3.014400-7; 2009.1.042562-5; 2008.3004092-5; 2001.1.022730-4; 2008.1.001925-5; 2008.1.036928-8; 2007.1.044666-5; 999.1.023221-5; 2007.1.086456-0 (Valéria também).


Até agora - pasmem! - não teve que desembolsar nem um tostão.

Sabem por que? O Tribunal não consegue encontrá-lo! Seu endereço, vejam só, tem sido incerto e não sabido todos esses anos.


E assim, fugindo das citações, retendo indevidamente processos nas mãos de seus advogados, através de mil e duas artimanhas, as cobranças - acreditem - prescrevem! É só clicar em cima dos números dos processos e vocês poderão ler a íntegra da situação de cada um.

Verão que, durante anos e anos, eles ficam parados, sem despachos, sem mandados, sem nada.

Ah! Mas não queiram fazer a mesma coisa, porque irão se dar mal.


Note-se que o Mandado de Segurança 2008.1.021380-7, de autoria de Vic contra a Procuradora Chefe da Secretaria de Finanças de Belém, cujo pedido de liminar foi indeferido, ficou de 11/08/2008 até 16/12/2009 com o advogado, o que motivou o seguinte despacho, em 17.12.2009: “RH. Efetive Certidão circunstanciada sobre o tempo em que o Processo se manteve em mãos do Patrono da parte; Evidencie o longo tempo de mantença, mais de 365 dias, e a forma do resgate. P.R.I.C Belém, PA, 17 de dezembro de 2009. Dra. Edinea Oliveira Tavares, Juíza Titular da 5a. Vara de Fazenda”.


E prestem atenção no processo 2008.1.009121-1, em que Vic e Valéria pedem a condenação por danos morais da jornalista Ana Célia Pinheiro e de Jader Barbalho Filho: os dois políticos tiveram que ser intimados a pagar as custas (nem pensar!), no prazo de 30 dias, em despacho datado de 19 de março de 2008. Os autos foram parar na Defensoria Pública. Que, espera-se, esteja atendendo a Ana Célia e não os ricos que não gostam de gastar com advogados”.

Cliquem aqui para ir até o blog da Franssinete e ver os processos citados
http://www.uruatapera.com/blog/blog.asp

Vic, o Boris Casoy do Pará



Do Blog do Deputado Bordalo:



“VV: Demagogia desmascarada




Agradeço ao Vic pela referência e por seguir divulgando nosso Bordalo13, mas não tenho como deixar de lamentar uma resposta do nobre deputado do Democratas na caixinha de comentários do post O Caminho para o fim do mundo, onde ele, de quebra, disponibiliza o meu livreto para ser baixado em PDF no blog dele.


Primeiro, um leitor pondera sobre o conteúdo da postagem, onde Vic diz que escreverá um "manual" oposto ao "meu", chamado " Como Botar a Companheirada pra Correr ":


- "Vic, estive no blog que vc mencionou e, realmente, não encontrei nada de convincente no dito folheto, só as bobagens de sempre. No entanto o blog possui uma área muito interessante chamada "Atividade Parlamentar" onde os projetos do Deputado são apresentados. Li os projetos e achei alguns interessantes e outros desnecessários, como o "Dia do Feirante", mas queria sugerir que vc fizesse algo semelhante no seu blog. Afinal queremos saber o que vc está fazendo, acho que temos este direito como eleitores."


E eis a infelicidade do contra ponto do Vic:


"Vc quer que eu apresente o Dia do Feirante, também ?"


Clique na caixinha e leia você mesmo, amigo e amiga.


Absurdo porque demonstra o tamanho desprezo que Vic tem pela nossa gente humilde, nossos trabalhadores do Ver-o-Peso, 25, Guamá e tantas outras feiras de Belém, que saem todos os dias, homens e mulheres, vellhos e jovens, às 4, 5 da madrugada para trabalhar e possibilitar almoços e jantares fartos para pessoas do nível social do deputado Vic.


Absurdo porque em todas as eleições, Vic, que tem Belém como principal base eleitoral, lança panfletos direcionados aos feirantes, como se deles gostasse, com eles se solidarizasse ou se importasse. Talvez inveja, porque depois dessa nunca mais receberá votos dessa categoria tão sofrida, tão merecedora da atenção do poder público e daqueles realmente comprometidos com uma sociedade de justiça social e não com seus desejos particulares de dinheiro e poder.


Apresentei sim projeto criando o Dia dos Feirantes, com "muito orgulho e com muito amor", como gostava de dizer o ex-prefeito Edmílson, de quem fui secretário de economia e coordenador do Banco do Povo, que tanto bem fez a esses camaradinhas feirantes.


O pior é que na foto logo aí ao lado, da Valéria, que foi um desastre administrativo na Santa Casa (leia nota abaixo), faz demagogia com justamente uma feirante do Ver-o-Peso, na eleição de 2008 (quando sequer chegou ao segundo turno), prometendo a revitalização do ponto turístico (clique para ler matéria da UOL)”.






Clique aqui para ir ao blog do deputado Bordalo e acessar os links citados:
http://bordalo13.blogspot.com/2010/01/demagogia-desmascarada.html


A blogosfera reage às baixarias do Vic




No blog Simplesmente Lu, as várias postagens da Franssinete Florenzano sobre os rolos e maracutaias do deputado Vic Pires Franco:




Ficha suja

Vejam como o deputado Vic Pires Franco é reincidente em não pagar suas contas nem aos que trabalham para ele. Estes são mais alguns dos processos por não honrar sua palavra e contratos, todos com tramitação no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região:
Processo: 0215800-89.1990.5.08.0001;
Processo:0215800-68.1990.5.08.0008;
Processo:0217000-51.1992.5.08.0005;
Processo:0034200-26.1995.5.08.0013;
Processo: 0134700-41.1997.5.08.0010;
Processo: 0187100-78.2005.5.08.0001;
Processo: 0002900-42.1996.5.08.0003
Processo: 0148600-40.2005.5.08.0001 (este está em fase de execução. Foi preciso a 1ª Vara do Trabalho de Belém bloquear a conta de Vic em 7/10/2009 para que ele pagasse a dívida. Por sinal, foi enviada hoje ao BB a Guia de Retirada nº 00017/2010).



quinta-feira, 7 de janeiro de 2010


O deputado federal Vic Pires Franco - que ao invés de trabalhar para fazer jus à fortuna que ganha com o dinheiro do povo dedica-se em tempo integral a roubar a honra dos outros e passear no Exterior às custas dos cofres públicos com sua família, namorados das filhas e amigos -, é useiro e vezeiro em não pagar suas contas pessoais. Vejam só alguns dos processos a que responde, estes todos perante a Justiça Federal:
processo 94.00.04043-1; processo 96.00.04157-1; processo 1997.39.00.004076-0 (réus Vic e Valéria); processo 1998.39.00.009236-8; processo 1998.39.00.007919-9; processo 2001.39.00.009455-5; processo 2001.39.00.008415-8; processo 2001.39.00.010064-0; processo 2002.39.00.001411-7; processo 2002.39.00.001613-8; processo 2003.39.00.010411-9; processo 2003.39.00.011397-1; processo 2003.39.00.011333-0; processo 2003.39.00.013949-8; processo 2004.39.00.004344-4; processo 2004.39.00.001198-6; processo 2004.39.00.000524-9; processo 2004.39.00.001354-4; processo 2005.39.00.002464-3; processo 2005.39.00.009407-4.



terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Máfia das passagens

O site Congresso em Foco divulgou hoje, na matéria intitulada A Lista da Máfia das Passagens, desdobramentos do escândalo protagonizado pelos deputados federais que usaram passagens aéreas pagas com dinheiro público para passear no Exterior, levando a tiracolo mulher, filhos e aderentes.

Da bancada paraense, o campeoníssimo é Vic Pires Franco (DEM), useiro e vezeiro nas rotas para Miami, Paris e Buenos Aires. Foram 27 passagens aéreas para o Exterior, usadas pela mulher, Valéria, filhos, namorados das filhas e amigos. O deputado Zé Geraldo (PT) utilizou 18 passagens; Nilson Pinto (PSDB), 4; Asdrúbal Bentes (PMDB), 2; e Gerson Peres (PP), 1.

A farracom o dinheiro do contribuinte custou R$ 4.765.946,91, sendo R$ 3.021.557,98 nos bilhetes emitidos e mais R$ 1.744.388,93 com taxas de embarque. A grana poderia ser melhor empregada, não acham?

Juristas ouvidos pelo Congresso em Foco manifestam entendimento semelhante ao do Ministério Público Federal, que investiga o caso: a legislação em vigor é suficiente para concluir que ocorreram pelo menos dois atos sem amparo legal: o uso da cota para pagar passagens internacionais e a entrega de bilhetes a amigos e parentes.

No primeiro caso, um dos princípios fundamentais do direito público: só pode ser considerado legal aquilo que é feito com base em determinação expressa da lei. Ou seja: tudo que não é explicitamente permitido em lei deve ser considerado proibido. A cota – destinada a voos domésticos – foi usada para bancar viagens internacionais.

No segundo caso, a Constituição Federal, a legislação ordinária e as próprias normas regimentais da Câmara dispõem ser ilegal usar a cota em favor de terceiros, sobretudo em atividades que não estejam diretamente relacionadas ao mandato parlamentar. Princípios como impessoalidade e moralidade(?) não são simples imperativos éticos abstratos, mas mandamentos constitucionais e legais aos quais estão sujeitos todos os detentores de mandato popular.

Ah! O que dizem os deputados da lista? Que eles não sabiam que era ilegal, porque ninguém os avisou disso. Você daria de novo seu voto a um deles?



segunda-feira, 4 de janeiro de 2010
Lupa do MPF


Como as Comissões de Ética (?) do Senado e da Câmara Federal fizeram vista grossa para os escândalos dos atos secretos, das passagens aéreas e das diárias, o Ministério Público Federal está passando pente fino nos documentos do Congresso para apurar direitinho e processar os protagonistas dessas histórias mal contadas. Aqui no Pará, o notório deputado demo Vic Pires Franco passeou pelo mundo com a família e os namorados das filhas, à custa do meu, do seu, do nosso dinheirinho.


http://simplesmentelu.blogs.sapo.pt/90511.html